À distância, Conselho Deliberativo do Flamengo aprova contas de 2019

Através de votação por e-mail, grupo aprovou os números apresentados no balanço do clube referente ao ano passado, cuja receita bruta foi de R$ 950 milhões

Lance

Lance

Lance

O Conselho Deliberativo do Flamengo aprovou as contas do clube de 2019. A votação se deu à distância, por e-mail, para evitar aglomerações devido à pandemia do novo coronavírus. Cerca de 800 conselheiros votaram a favor, com três posições contrárias.

Há cerca de um mês, mais precisamente no dia 31 de março, o Flamengo divulgou o seu balanço do ano passado, no qual consta um recorde de receita bruta: R$ 950 milhões, com superávit de R$ 62 milhões. Um crescimento considerável foi o de 357% nas receitas quanto a venda de atletas.

E um trecho do documento fez com que uma atitude tomada nesta semana, a de demitir cerca de 60 funcionários, fosse apontada como contradição da diretoria, já que o clube tinha feito um "teste de stress" e, ao projetar um "cenário de interrupção de jogos por até três meses", concluiu que os "impactos financeiros" seriam "absorvíveis" e não representariam "risco de continuidade nas operações". O clube ainda não se manifestou sobre o fato.

A respeito da votação do Conselho, que previa a votação até o último dia 30, um trecho da nota do grupo tece sobre o formato do crivo:

- Se, quando distantes, votamos sem deliberar, assumimos que, de longe, a única possibilidade de democracia interna será torta, aquém, mutilada. Não podemos concordar. A participação deve ser plena para todos. Somos comprometidos com o voto à distância, matéria de proposta de emenda. Mas somos comprometidos antes com a democracia, sem fronteiras. Se, em tempos de pandemia, outras câmaras adotaram mecanismos de videoconferência, por que o Conselho Deliberativo não faz o mesmo?