Lance Frágil e sem intensidade, Vasco joga mal, volta a frustrar o torcedor e vê acesso cada vez mais distante

Frágil e sem intensidade, Vasco joga mal, volta a frustrar o torcedor e vê acesso cada vez mais distante

Cruz-Maltino chegou a abrir o placar com Germán Cano, de pênalti, mas pouco criou na partida. Defesa voltou a falhar de maneira grosseira diante de 9.881, em São Januário

Lance
Lance

Lance

Lance

Em mais uma rodada favorável, o Vasco tropeçou e deixou pontos pelo caminho. Essa frase se repetiu ao longo de toda campanha da equipe na Série B e nada mudou em 32 rodadas. Frágil na defesa, sem intensidade e criatividade na frente, o Cruz-Maltino tomou a virada do CSA diante de quase 10 mil vascaínos (público presente: 9.881) e se complicou ainda mais na luta pelo acesso.


Ausência de Nene e dificuldade na criação

Durante toda semana, a dúvida era sobre quem seria o substituto de Nene, que estava suspenso ao tomar o terceiro cartão amarelo. Diniz optou por deslocar Marquinhos Gabriel para exercer a função do camisa 77 e promover a volta de Andrey à equipe titular. Em campo, o Vasco até começou pressionando e levou perigo com Cano, mas logo os erros defensivos começaram a aparecer.

+ Confira e simule a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro


Logo aos 4, o CSA começou a explorar a dificuldade crônica da defesa vascaína nas jogadas aéreas e conseguiu balançar a rede. Em bola alçada na área, Zeca voltou a marcar a bola e falhar diante do adversário. Iury Castilho dominou e bateu sem chance para Lucão. Para alívio do torcedor, o árbitro anulou o gol por um toque na mão do atacante do Azulão.

Com dificuldade em criar e ser efetivo na frente, o Gigante da Colina teve poucas oportunidades, mas conseguiu sair na frente. Ernandes derrubou Cano na área e após consulta ao VAR, o árbitro assinalou o pênalti. Na cobrança, o argentino bateu e fez o L! para delírio da torcida.

+ ATUAÇÕES: Zeca falha e leva a pior nota na derrota do Vasco; Gabriel Pec desperdiça chances

A alegria durou pouco, já que Renato Cajá acertou a falta de muito longe, e ao tocar na barreira, que estava mal montada, a bola enganou Lucão, que não alcançou. O Vasco chegou em dois momentos, no primeiro tempo, com Gabriel Pec e Morato na frente. Os pontas, que não renderam novamente, finalizaram mal e não conseguiram fazer o segundo.

Falha grosseira e G4 mais distante

Na volta do intervalo, Diniz colocou Daniel Amorim e Léo Jabá em campo e foi em busca dos três pontos. O time teve mais posse de bola (60,97) no segundo tempo, porém um domínio improdutivo e sem assustar o adversário. Em determinado momento, o Vasco se limitou a cruzar para a aérea sem tentar qualquer infiltração ou bola trabalhada.

+ Em São Januário, Vasco perde e fica distante do G4 da Série B; confira as probabilidades dessa reta final

Na reta final da partida, um lance resumiu toda vulnerabilidade defensiva do Vasco na temporada, em uma falha grosseira. Giva Santo carregou, caiu ao dividir a bola e mesmo sentado deu a assistência para Dellatorre. Zeca dava condições para o atacante, que recebeu sozinho mesmo com quatro jogadores dos cariocas na jogada.

No desespero, o Cruz-Maltino tentou empatar, mas o goleiro Thiago Rodrigues salvou ao pegar o chute de Jhon Sánchez, equatoriano que fez a estreia pelo clube. Em rápido contra-ataque, Riquelme fez o pênalti em Clayton. Dellatorre cobrou, sem chance para Lucão. O resultado frustrou o torcedor, que revoltado vaiou, chamou de "time sem vergonha", e alguns lançaram copos no gramado.

+ Diniz cita ausência de Nene e lamenta derrota do Vasco: 'Não conseguimos fazer um bom jogo'

Com seis jogos pela frente, tendo que fazer 100% nesta reta final, o acesso fica cada vez mais distante a cada tropeço. No momento mais complicado de sua história, o Vasco pode permanecer na Série B pelo segundo ano seguido e os erros vão além do campo. Na matemática, existe o fio de esperança, mas a margem para erro já não existe e a arrancada terá que ser histórica.

Últimas