Fotógrafo brasileiro ligado ao surfe fará exposição em Nova York

Vitor Viana tem se destacado nos trabalhos com a modalidade

Lance

Lance

Lance

Conhecido no mundo do surfe por utilizar uma técnica muito particular para retratar o esporte, o fotógrafo e filmmaker brasileiro Vitor Viana, 25 anos, foi convidado a expor seu trabalho em Nova York.

A exposição estava prevista para acontecer neste ano, mas pode ser adiada para 2021 por conta da pandemia do coronavírus.

- Eu trabalhei com muitos fotógrafos, mas os olhos do Vitor para artes visuais são raros. Ele está em uma dimensão criativa diferente. Seu trabalho é gracioso, exigente e curioso. As imagens que ele faz contam uma historia e nos forçam a enxergar o assunto de uma perspectiva completamente nova. A arte do Vitor leva você ao reino do surreal. Texturas de ondas, pessoas e novos mundos se chocando. É como olhar para uma memória do futuro - disse Brenna Haragan, responsável pelo convite ao brasileiro para a exposição.

A técnica, que virou uma espécie de assinatura de Viana, usa o preto e branco, aliado ao "slow shutter", ou baixa velocidade, e incorpora cristais, que dão ideia de movimento e vida à imagem.

- Eu procuro enxergar os objetos fotografados de uma maneira um tanto quando diferente, o que me fez caminhar lado a lado com as sombras e a cor preta - enfatiza o fotógrafo, que tem no currículo documentários na TV no Canal Off, além de ter sido filmmaker de um documentário da carreira de Phil Rajzman, campeão mundial de longboard.

A técnica é basicamente uma fotografia de longa duração, utilizando maior tempo de exposição, fazendo a imagem criar movimento próprio. Os cristais auxiliam, transformando as imagens em algo ainda mais distintas quase realmente vivas.

Viana tem fotografias publicadas em revistas de países como França, Alemanha e Austrália. Já participou de exposições em Portugal e, além de Nova York, foi convidado pelo concurso Urban Photo Awards a expor na Itália. Possui trabalhos assinados em Festivais de Portugal, como o Gliding Barnacles, e o Mexilog, no México, e ganhou prêmio de melhor fotografia pela revista australiana Surf Visuals.