Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Filipe Toledo e João Chianca disputam o WSL Finals nos Estados Unidos: 'Resultado do trabalho duro'

Surfistas são os representantes brasileiros na decisão mundial, que começa nesta sexta-feira (5)

Lance

Lance|Do R7

Lance
Lance Filipe Toledo e João Chianca representam o Brasil na decisão do surfe mundial (Fotos: WSL)

O prazo para o WSL Finals decidir os títulos mundiais de 2023 começa nesta sexta-feira (5) e vai até 16 de setembro, em Lower Trestles, nos Estados Unidos. O campeão e a campeã da temporada serão definidos em um único dia. Atual campeão mundial, Filipe Toledo vai tentar o bicampeonato consecutivo, e João Chianca é o outro brasileiro que se classificou entre o top-5 do ranking do Championship Tour (CT) da World Surf League (WSL).

- Isto é resultado de todo o trabalho duro, todo sacrifício, ao longo do ano. Todas as horas viajando em aviões pelo mundo e muito dinheiro investido. É tudo isso e me sinto super abençoado, então só tenho que agradecer a Deus por tudo que Ele vem fazendo na minha vida. O apoio da família e de todos os meus patrocinadores foi muito importante para eu chegar aqui. E da WSL também, por realizar eventos incríveis, então vejo vocês em Trestles - disse Filipe Toledo.

+ Sem citar o irmão, Sophia Medina elege as maiores inspirações no surfe,

Assim como em 2022, Filipe Toledo chega ao WSL Finals em primeiro lugar no ranking do CT. Com isso, ele vai tentar o bicampeonato mundial, já na melhor de três baterias que define o campeão neste sistema mata-mata implantado pela WSL em 2021. Filipe é o único a participar das três decisões e as duas primeiras foram 100% brasileiras. Em 2021, Gabriel Medina conquistou o tricampeonato sobre Filipe Toledo, que no ano passado derrotou Italo Ferreira, campeão mundial de 2019. 

Publicidade

+ Kelly Slater é a favor da participação de Gabriel Medina nas Finais da WSL

O outro brasileiro no WSL Finals é João Chianca, o Chumbinho, estreante na elite dos top-5 do mundo. No ano passado, ele saiu da elite no corte do meio da temporada. No entanto, retornou ao CT pelo Challenger Series e chegou até a liderar o ranking em duas etapas durrante o ano. Chumbinho nunca competiu em Lower Trestles, mas já está treinando lá há duas semanas, assim como Filipe Toledo, que mora em San Clemente, na Califórnia.

Publicidade

- Foi uma loucura como este ano começou para mim. Eu só estava pensando em passar pelo corte e as coisas começaram a acontecer, então só segui meu caminho. Nós, competidores, somos preparados para sonhar alto. No ano passado, eu disse a mim mesmo, que deveria sonhar mais alto, que poderia confiar no meu talento e acreditar cada vez mais no meu surfe. Eu sabia que era possível e não podemos ignorar as chances que a vida traz para você. Não sei por que, Deus escolheu me colocar aqui neste lugar agora e sou muito grato, porque sempre deixei tudo nas mãos Dele - afirmou João Chianca.

+ Sophia Medina relata como inclusão nos Jogos Olímpicos fez o surfe ser levado mais a sério no Brasil

Por ter terminado em quarto lugar no ranking do CT 2023, João Chianca vai abrir o sistema mata-mata do WSL Finals contra o quinto colocado, Jack Robinson. Quem passar, enfrenta o número três, o também australiano Ethan Ewing. O vencedor disputará com o vice-líder, Griffin Colapinto, o duelo que define o adversário de Filipe Toledo na melhor de três baterias que vai decidir o campeão mundial da World Surf League em 2023.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.