Lance Filha de Maradona diz que pai não teve morte digna e quer justiça: 'Até as últimas consequências'

Filha de Maradona diz que pai não teve morte digna e quer justiça: 'Até as últimas consequências'

Tribunal de Apelações e Garantias de San Isidro confirmou que os oito acusados pela morte de Maradona vão a julgamento

Lance
  • Lance | por Lance

Resumindo a Notícia
  • Dalma Maradona disse em entrevista à rádio argentina que pai não teve morte digna.

  • Filha do ídolo promete levar a questão à Justiça até as últimas consequências.

  • Oito pessoas vão ser julgadas pela morte por 'homicídio simples com dolo eventual'.

  • Maradona morreu em 25 de novembro de 2020, dentro de casa, em Buenos Aires.

Dalma vai processar médicos que operaram Maradona em 2020

Dalma vai processar médicos que operaram Maradona em 2020

Reprodução Instagram @dalmaradona

Dalma Maradona, filha do ídolo argentino, afirmou que o pai "não teve uma morte digna" e que vai em busca de justiça contra os médicos responsáveis por cuidar do pós-operatório de uma cirurgia no cérebro em novembro de 2020.

"Meu pai não teve uma morte digna, e vamos chegar às últimas consequências", disse a filha de Diego ao sair de seu programa Um Dia Perfeito, transmitido pela Rádio Metro, na Argentina.

 Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Dalma afirmou que não pode citar o nome das pessoas que serão julgadas no processo sobre a morte do ex-jogador, mas que a lista de responsáveis seria maior do que as oito pessoas que passarão pelo tribunal.

"Sei que não me comprometi com as pessoas que estiveram envolvidas na morte do meu pai. Por ordem de alguém ou por inépcia em fazer o seu trabalho. Não posso nomear ninguém. Mais pessoas estão envolvidas", disse.

"Espero que seja um julgamento digno. Gianinna e eu vamos testemunhar. Queremos estar presentes nas audiências. Os áudios e os chats não vão para a prisão, mas o que eles dizem vai", disse, ao fazer alusão aos áudios que surgiram nos quais alguns dos réus falavam sobre Maradona, seu ambiente e seu estado de saúde.

"Todos os dias sem meu pai me dói. Serão três anos. A Justiça na Argentina é assim", completou.

Na semana passada, o Tribunal de Apelações e Garantias de San Isidro confirmou que os oito acusados pela morte de Maradona vão a julgamento por "homicídio simples com dolo eventual".

Maradona morreu no dia 25 de novembro de 2020, dentro de casa, em Buenos Aires. O laudo da morte foi uma parada cardiorrespiratória. No entanto, o Departamento de Justiça da Argentina alegou que o ex-jogador recebeu "tratamento inadequado, deficiente e imprudente".

Relembre momentos marcantes da carreira de Lionel Messi, sete vezes melhor do mundo

Últimas