Esportes Olímpicos Ginasta campeão no Rio é suspenso por doping e não vai à Olimpíada

Ginasta campeão no Rio é suspenso por doping e não vai à Olimpíada

Oleg Verniaiev tem resultado analítico adverso para Meldonium, substância proibida pela Wada, e é suspenso por quatro anos

Lance
Oleg Verniaiev seria uma das grandes estrelas da ginástica em Tóquio

Oleg Verniaiev seria uma das grandes estrelas da ginástica em Tóquio

Lance

Campeão olímpico nas barras paralelas nos Jogos Rio 2016, o ucraniano Oleg Verniaiev foi suspenso por quatro anos por doping e está fora da Olimpíada de Tóquio. Ele foi flagrado com a substância Meldonium, substância proibida pela Agência Mundial Antidoping (Wada).

O atleta de 27 anos já estava suspenso provisoriamente das competições enquanto o processo seguia em investigação, desde dezembro de 2020. Em janeiro, a Federação Internacional de Ginástica (FIG) chegou a confirmar a punição, sem dar explicações sobre o motivo da pena.

A confirmação do gancho veio na última segunda-feira pela Comissão Disciplinária da Fundação de Ética da Ginástica (GEF), órgão que avalia os casos de dopagem da ginástica. O atleta se posicionou em um post no Instagram e informou que recorrerá à Corte Arbitral do Esporte (CAS). Ele confirmou que não poderá disputar a Olimpíada do Japão.

"A pergunta mais importante é: como a droga proibida entrou em meu corpo?
Por que isso aconteceu em um momento em que não havia competições internacionais sérias e o treinamento era realizado de forma leve?
Por que apenas um teste deu um resultado positivo, e nenhum dos quase dez testes subsequentes não confirmou? Um teste positivo apenas indica a presença de uma substância proibida no corpo, mas não indica a culpa do atleta. Se o atleta tiver certeza de que a culpa não é sua, ele não deve abaixar as mãos", disse o ginasta.

O Meldonium é a mesma substância que causou a suspensão por doping da tenista Maria Sharapova, em 2016. A russa alegou que ingeriu o medicamento para tratar problemas de saúde. O fármaco é vetado pela Wada porque acelera o fluxo de sangue e de oxigênio pelo corpo, o que provoca aumento de performance em diversas situações.

"A luta toda está apenas começando, essa é a próxima etapa da minha vida e, como sempre, lutarei até o fim e apelarei da decisão da Fundação de Ética da Ginástica sobre minha desclassificação para o CAS. Acredito que a mais alta corte dos esportes colocará tudo em seu devido lugar", completou Oleg.

Athletico-PR e Vasco são os clubes que mais sofreram com convocação

Últimas