Lance Em participação inédita, Palmeiras chega em final tão sonhada da Libertadores Feminina

Em participação inédita, Palmeiras chega em final tão sonhada da Libertadores Feminina

Em jogo difícil, as Palestrinas acreditaram e garantiram o placar simples para carimbarem o passaporte rumo ao título

Lance
Lance

Lance

Lance

O Palmeiras venceu o América de Cali-COL por 1 a 0 em um jogo bem disputado em Quito, no Equador. Com o resultado garantido através de uma cabeçada de Ary Borges, as Palestrinas chegaram à final da Libertadores Feminina na primeira participação da história do clube no torneio.

> Brasileiros na mira de seleções europeias: lembre jogadores brasileiros que se naturalizaram

"QUITORMENTA" PARA MARCAR UM GOL...

Em uma nova partida em Quito-EQU, o Palmeiras seguiu com um problema recorrente: o desperdício de chances claras. A equipe de Ricardo Belli fez um primeiro tempo de muita posse de bola, de pressão e rodagem de passes, mas nada disso foi convertido em gols. Ary Borges e Bia Zaneratto até tentaram, mas a bola seguiu a direção contrária das traves. A oportunidade perdida pela camisa 10 foi a que mais fez falta nos 45 minutos iniciais, já que a goleira adversária estava longe da meta. Intervalo de jogo sem muitas novidades e 0 a 0 permanecendo no placar.

> Simule o resultado da decisão da Libertadores Feminina!

A FINAL É LOGO "ARY"!

O segundo tempo começou com mais pressão palestrina contra o Cali. O ritmo de jogo seguiu controlado e dessa o gol parecia estar cada vez mais maduro. Dito e feito. Logo aos nove minutos, Byanca Brasil avançou pela lateral e encontrou um cruzamento quase que "com as mãos", de tão perfeito. Ary Borges, que sabe se posicionar e aproveitar a fragilidade da defesa adversária, apareceu sozinha e cabeceou para o fundo da rede, deixando a final cada vez mais perto.

CABEÇA FRIA E CORAÇÃO QUENTE

A reta final de partida ficou um pouco mais nervosa. O Palmeiras queria segurar o resultado, enquanto o América de Cali-COL fazia de tudo para conseguir o empate. Pensando nisso, as comandadas de Ricardo Belli precisaram ter cabeça fria e coração quente para alcançarem a vaga na decisão. Em um dos momentos mais complicados, Bruna Calderan soltou o braço no rosto da jogadora adversária, mas como o VAR só será implantado no último jogo, nada foi marcado e o resultado não foi comprometido.

AMÉRICA DE "CALI-SE"

No apito final, as jogadoras do Cali se descontrolaram e quase armaram uma confusão com as palmeirenses. A reclamação não acabou por aí e a arbitragem precisou acalmar os ânimos e dispersar o tumulto causado por quem não tinha nenhum motivo para "aprontar" uma dessas. A calma veio para o Palmeiras e a finalíssima também. 1 a 0 no placar e classificação garantida rumo ao título inédito.

PRÓXIMO E ÚLTIMO COMPROMISSO

Agora, o Palmeiras enfrenta o Boca Juniors-ARG, em busca do título tão sonhado da Libertadores Feminina. A partida acontecerá na sexta-feira, às 19h (de Brasília).

Últimas