Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Dudu completa dois anos de seu retorno ao Palmeiras ainda mais ídolo e sem dependência

Camisa 7 havia sido emprestado para o futebol do Qatar em 2020 e voltou no ano seguinte para retomar sua história no Verdão

Lance

Lance|Do R7


Nesta terça-feira, 16 de maio de 2023, o Palmeiras completa dois anos do anúncio de uma notícia que o torcedor sonhou em ler: a volta de Dudu, após empréstimo ao Al Duhail, do Qatar. Quando parecia que a história do camisa 7 com a camisa alviverde tinha acabado, o time do Oriente Médio não cumpriu o acordo de compra após a temporada local e o atacante retornou para casa. Com tudo o que aconteceu desde então, ele se tornou ainda mais ídolo e a equipe menos dependente dele do que já foi um dia.

+ Veja tabela da Copa do Brasil-2023 clicando aqui

Dudu deixou o Verdão em meados de 2020, quando acumulava três títulos pelo clube (Copa do Brasil-2015, e Brasileirão 2016 e 2018) e já era um ídolo colocado em patamar alto na história palmeirense. Isso porque ele se fazia decisivo nas conquistas, defendia o escudo como um torcedor de alma e coração, e correspondia em campo como o principal jogador do time temporada após temporada. Aliás, em sua saída, já se falava até em uma preocupação sobre como seria o Palmeiras sem o seu grande craque dos últimos anos, tamanha a dependência.

No entanto, o clube conseguiu uma reformulação nesse meio tempo em que Dudu ficou longe. O time conquistou o Paulistão sob o comando de Vanderlei Luxemburgo, que acabou deixando o cargo para a entrada de Abel Ferreira, que mudou o patamar da equipe para sempre, conquistando Libertadores e Copa do Brasil. Aquela dependência do camisa 7 no campo já parecia superada, mas ficava a sensação de "como seria esse time com o Baixola?". E talvez até mesmo o pensamento dele era exatamente esse quando retornou.

Publicidade

Sem acordo para a compra definitiva do atacante por parte do clube do Qatar, o Verdão esperou o encerramento do empréstimo para reintegrar seu jogador. Foi preciso um tempo para se readaptar ao futebol brasileiro e, principalmente, se adaptar ao novo Palmeiras de Abel. Dudu seguia como maior ídolo em atividade no clube, mas sua função em campo não era mais ser o único protagonista, e sim dividir o protagonismo com outros atores que se tornaram principais em sua ausência. O camisa 7 não perdeu espaço, pelo contrário, ganhou colegas para dividir a responsabilidade.Dudu já conquistou 11 títulos com a camisa do Palmeiras, seis deles nessa volta (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Assim, foi com ele em campo de forma decisiva que o Verdão conquistou a Libertadores de 2021 batendo o Flamengo, em Montevidéu. Foi com ele também que o Alviverde foi vice-campeão Mundial e por muito pouco não levou o tão sonhado título. Depois, a porteira abriu ainda mais com Recopa Sul-Americana, com Paulistão (duas vezes), com mais um Brasileirão e com a inédita Supercopa do Brasil, outra vez contra o Flamengo. Conquistas atrás de conquistas que colocaram o Baixola ainda mais ídolo do clube e em um patamar ainda maior.

Publicidade

Desde que voltou, segundo dados do "Análise Verdão", Dudu fez 120 jogos, marcou 16 gols, deu 23 assistências, criou 128 chances para gol (média de mais de uma por jogo), tem média de 0,6 finalização por jogo e acerta 66% dos dribles que tenta. Números de um titular absoluto, que mostram a importância do jogador e o porquê de ser essencial mesmo com um jejum de gols que foi encerrado recentemente.

+ OLHAR DO PORCO: Sem Artur, Abel tem diversas opções para escalar o Palmeiras diante do Fortaleza

Sem contar Paulistão-2020 e Libertadores-2020, títulos nos quais ele fez parte do grupo, mas não estava no elenco quando a taça foi levantada, Dudu conquistou seis títulos na sua volta (Libertadores-2021, Recopa-2022, Paulistão-2022, Brasileirão-2022, Supercopa-2023 e Paulistão-2023). Isso fez com que ele subisse muitos degraus entre os maiores campeões da história do clube. São 11 conquistas no total, uma a menos do que Ademir da Guia e Junqueira, que lideram o ranking com 12 taças. Ou seja, tudo indica que o Baixola vai alcançar esse pessoal em breve.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.