Lance Djokovic: 'Sempre me vejo como o melhor do mundo'

Djokovic: 'Sempre me vejo como o melhor do mundo'

Sérvio faturou o hexa no ATP Finals e apesar de ser o quinto do mundo disse sempre se sentir como o melhor

Lance
Lance

Lance

Lance

Novak Djokovic celebrou a sexta conquista do ATP World Finals, neste domingo, e disse que sempre se sente como o melhor do mundo. Ele derrotou o norueguês Casper Ruud, quarto colocado, por 7/5 6/3 na decisão.

“Sinto uma profunda satisfação e, ao mesmo tempo, um grande alívio pelas circunstâncias que vivi este ano, claro que com a Austrália. Isso claramente teve um efeito no meu início de temporada. Nos primeiros meses tentei encontrar esse equilíbrio de jogo, mas também a nível mental. Começou a acontecer justamente na Itália, quando ganhei o torneio em Roma. Foi quando comecei a me sentir mais confortável jogando tênis, estando na quadra.

O título de Wimbledon foi extremamente importante. Depois, só perdi na final do Paris-Bercy, ganhei os outros torneios. Eu tive um final de temporada incrível. Historicamente, os torneios indoor têm sido muito bem-sucedidos para mim. O fato de ser na Itália torna este troféu ainda mais especial", disse Nole que subirá ao quinto lugar do ranking. Mesmo assim ele se sente o melhor.

“Sou o quinto (risos). Esta semana provavelmente é. No geral, a classificação mostra quem teve o melhor ano e esse é o Alcaraz. Na minha cabeça sempre me vejo como o melhor jogador do mundo, claro. Eu tenho esse tipo de mentalidade independente de quem está do outro lado da rede, superfície ou temporada. As ambições são as mais altas possíveis. Sinto que esse foco me trouxe até onde estou aos 35 anos, segurando um dos maiores troféus do esporte.

Não sinto que haja qualquer pensamento de parar ou deixar minha carreira no tênis tão cedo. Me sinto motivada, de bem com meu corpo, sei me cuidar e tenho uma ótima equipe. Enquanto eu me sentir assim comigo mesmo… Enquanto eu sentir amor e paixão pelo tênis, farei tudo ao meu alcance para desafiar os jovens pelos maiores troféus.”

Ao ser perguntado sobre aposentadoria, ele disse: "“Não penso em como quero encerrar minha carreira ou quando fazê-lo. Agora as coisas estão funcionando bem, mas você nunca sabe o que vai acontecer. Meus filhos têm oito e cinco anos, estão ficando mais velhos. Talvez eles tenham requisitos diferentes para mim e eu tenha que pensar neles. Não sei o que o futuro me reserva, mas sei que o que me vem na cabeça é uma fome enorme de conquistar troféus, de fazer história no esporte, de competir no mais alto nível mundial. É isso que me motiva a continuar lá."

Últimas