Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Djokovic responde Nadal e diz que não concorda com espanhol

Sérvio comentou ainda que o tênis vive um monopólio e sua associação é ignorada

Lance

Lance|Do R7


Lance
Djokovic e Nadal em Roland Garros ano passado / Crédito: FFT

Novak Djokovic, número 1 do mundo, respondeu os comentários de Rafael Nadal em entrevista ao Movistar. O espanhol disse que seria uma frustração para o sérvio não superar suas marcas.

"Vi que as palavras dele viralizaram, que muita gente falou sobre isso. Qualquer pessoa tem direito à sua opinião e à forma como interpreta as coisas em determinado contexto. Respeito e aprecio o que ele é: um grande campeão, meu maior rival e alguém que, como jogador, contribuiu para moldar o meu jogo e os resultados que alcancei ao longo da minha carreira. Não tenho intenção de falar dele de forma negativa forma, nem dele nem de Federer: meu respeito por ambos está acima de qualquer opinião negativa que eu possa ter. Novamente, é a opinião do Rafa. Claro, não concordo. Tenho minha própria opinião mas não quero compartilhar, não quero me aprofundar nesse assunto. Não há necessidade", disse o sérvio que comentou sobre o US Open e o pós-torneio com suas férias. Ele se prepara para o Masters 1000 de Paris.

“As férias não são mais o que eram antes: depois de Nova Iorque e Valência voltei às minhas rotinas e ritmos familiares. Encontro um equilíbrio e o tempo que passo com os meus filhos me dá energia e me recupera. Passei com eles, ainda faço isso hoje. Estou ocupado com as obrigações dele e da Fundação, Jelena tem estado muito ocupada nas últimas semanas. Agora sou um pai mais ativo nesse sentido. Claro, tudo está indo bem. Fizemos um plano de três semanas até a primeira partida em Paris. Ainda tenho três eventos restantes e minhas ambições são sempre importantes. Tenho que me preparar bem, são três torneios em quatro semanas. Será intenso, com muitas partidas muito exigentes. Apesar de ter as maiores expectativas para os três torneios, de alguma forma, meu maior desejo até o final da temporada é vencer a Copa Davis. Espero que lá encontre meu melhor nível, como o resto dos caras da equipe."

Nole disse ainda que sua associação, a PTPA, é ignorada pela ATP: "Como organização de jogadores, sabemos qual é o nosso principal objetivo: aumentar o número de jogadores desta modalidade, em ambas as modalidades, que possam viver do tênis. Mas queremos que as pessoas saibam que há jogadores que estão no top-180 e que no final do ano não ganharam dinheiro, estão no zero. Alguns não têm condições de pagar um treinador, um fisioterapeuta ou um médico porque são custos adicionais. A maioria usa o que um torneio lhes oferece, se o torneio pode oferecer alguma coisa. É um tema que precisa ser debatido em alto nível, e não tenho visto muito interesse em continuar falando sobre isso emitir.

Publicidade

É claro que a PTPA é uma associação que representa 100% os interesses dos jogadores, queremos tentar atingir o nosso objetivo através de iniciativas e projetos. Se isso acontecerá num futuro próximo ou distante, dependerá da resposta do ecossistema do tênis ao PTPA. Neste momento, a resposta ainda é bastante negativa. Eles ignoram e fingem que não existimos como organização. É uma pena que seja assim, mas só podemos aceitar e trabalhar com o que temos, com o que é possível.

Como existe um monopólio no tênis, como em outros esportes globais, muitos não querem que falemos sobre esse assunto. É um ciclo vicioso, mas enquanto eu tiver um alto-falante que possa ser ouvido, irei usá-lo na esperança de que jogadores como Trungelliti se beneficiem, no curto prazo, do que uma organização como a PTPA pode alcançar.

O que podemos conseguir diretamente não é tanto porque não nos permitem entrar no sistema e participar nas decisões, ter uma participação direta, mas indiretamente resolvemos muitas coisas de forma positiva, nós as causamos. Por exemplo, a ATP aumentou os montantes em dinheiro para jogadores que se lesionam e têm de se ausentar do circuito. Agora eles têm algum dinheiro garantido se isso acontecer. Eles deram esse passo em frente, o que naturalmente apreciamos. É suficiente? Não é, mas agradeço e tenho tanta certeza que o fizeram porque a PTPA e os players apoiam estas iniciativas e falamos constantemente sobre tudo isto. Fala-se muito sobre tudo o que um campeão de Grand Slam ou um número um consegue, mas não se fala sobre quantos jogadores podem ganhar a vida com o tênis. É isso que espero continuar destacando, coisas que estão aí, que são óbvias”.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.