Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Djokovic: 'Não quero dizer que sou o melhor. É falta de respeito'

Sérvio foi questionado e deu sua opinião sobre ser o maior de todos após vencer seu 23º Grand Slam

Lance

Lance|Do R7


Lance
Sérvio celebra o título / Crédito: FFT

Novak Djokovic, número três do mundo, celebrou sua conquista de Roland Garros neste domingo e respondeu perguntas se ele se considerava o GOAT, o Maior de Todos os Tempos, por se tornar o recordista de Grand Slams.

"Não quero entrar nas discussões sobre quem é o maior de todos os tempos. Estou escrevendo minha própria história", disse: "Não quero dizer que sou o melhor porque sinto que é um desrespeito com todos os grandes campeões em diferentes épocas do nosso esporte que foi jogado de uma forma completamente diferente do que é hoje. Sinto que cada grande campeão de sua própria geração deixou uma grande marca, um legado e abriu caminho para que possamos praticar esse esporte em um palco tão grande globalmente. Então deixo esse tipo de discussão sobre quem é o maior para outra pessoa", disse o sérvio que continuou.

"Os Grand Slams são as maiores prioridades da minha lista, não apenas para esta temporada, mas para qualquer temporada, especialmente nesta fase da minha carreira. Se alguém me dissesse que venceria os dois primeiros Slams do ano, eu o contrataria imediatamente. Não estava tendo um bom desempenho nos torneios de saibro antes de Paris, mas assim que cheguei aqui me senti bem. Eu senti que tinha uma chance muito boa contra qualquer um em uma melhor de cinco. Sei que a maioria dos jogadores sente muita pressão contra mim em uma partida de Grand Slam em melhor de cinco e é exatamente assim que quero que eles se sintam."

Sobre possível aposentadoria, o sérvio descartou completamente: "A jornada ainda não acabou. Eu sinto que se estou ganhando Slams, por que pensar em encerrar minha carreira de 20 anos ? Ainda me sinto motivado e inspirado para disputar esses torneios, os que mais contam na história do nosso esporte. Já estou ansioso por Wimbledon."

Publicidade

Nole comentou mais sobre seus recordes: "Quando você fala sobre história, as pessoas falam principalmente sobre Grand Slams ganhos ou o tempo que você passou como número 1. Consegui quebrar recordes em ambas as estatísticas, o que é incrível. Eu realmente sinto que a idade é apenas um número no meu caso."

"É um pouco simbólico ter conquistado minha histórica 23ª vitória aqui em Paris, o que torna ainda mais doce e bom saber o que é preciso para vencer este torneio. Roland Garros é a montanha mais alta a escalar para mim na minha carreira. É por isso que é ainda mais satisfatório."

Publicidade

O natural de Belgrado comentou sobre sua rivalidade com Rafael Nadal e Roger Federer: "Sempre me comparei com esses caras porque são os dois maiores rivais que já tive na carreira. Já disse muitas vezes que eles realmente me definiram como jogador e contribuíram de alguma forma para todo o sucesso que tenho, pelas rivalidades e confrontos que tivemos. Passei incontáveis ​​horas pensando e analisando o que é preciso para vencê-los no maior palco. Para mim e minha equipe, foram apenas esses dois caras que ocuparam minha mente nos últimos 15 anos. Então é incrível saber que estou um passo à frente dos dois em Grand Slams, com o Rafa, mas ao mesmo tempo cada um escreve a sua história. E tendo nós três, com Andy também, não podemos esquecer que nos últimos 20 anos ele atingiu a idade de ouro do tênis masculino. Sou muito grato por fazer parte desse grupo.”

Agora o objetivo do tenista é o octa em Wimbledon onde não jogará nenhum torneio preparatório: "Não tenho muito tempo para comemorações porque a temporada de grama está chegando. Apenas Wimbledon estará nos planos para jogar na grama. Então, em breve estarei me mudando para Londres e treinando para me preparar para outro Grand Slam”.

Publicidade

Suas dificuldades para se dedicar ao tênis

Nole ainda comentou sobre Casper Ruud, o qual derrotou por 7/6 (7/1) 6/3 7/5: "Casper merece seu sucesso. Ele é um dos jogadores mais consistentes que tivemos nos últimos cinco anos. É lamentável para ele perder sua terceira final de Grand Slam, mas tenho certeza de que esta não é sua última final. Ele vai responder melhor, não há dúvida que tem qualidade para ganhar um Grand Slam, está muito perto.

Lembro-me de quando ganhei meu primeiro Slam, depois por três anos não ganhei outro e perdi várias finais e muitas semifinais, principalmente contra Nadal ou Federer. É aí que eu estava realmente duvidando de mim mesmo porque você vai longe, mas depois cai no último obstáculo. Quanto mais vezes você cai, mais você questiona tudo. Acho que Casper é o tipo de pessoa que não cede ao fracasso, mas aprende com ele."

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.