De olho em Tóquio, Etiene vai virar ano em meio a treinos na altitude

Medalhista de prata no Mundial na Coréia do Sul e dona de cinco medalhas nos Jogos Pan-Americanos de Lima, nadadora viaja para 21 dias de trabalho em Serra Nevada, na Espanha

Lance

Lance

Lance

A brasileira Etiene Medeiros encerrou o ano de 2019 entre os destaques nas principais competições disputadas na temporada, como nas conquistas da medalha de prata dos 50m costas no Campeonato Mundial na Coréia do Sul e as cinco medalhas nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, com o ouro nos 50m livre. De olho em Tóquio-2020, ela embarca nesta quinta-feira para um treinamento de 21 dias na altitude de Serra Nevada, na Espanha.

- Já estou com a cabeça em 2020. Estou indo para Serra Nevada, na Espanha, fazer treinamento de altitude em um centro de alto rendimento muito bem estruturado. Em fevereiro, tenho Sul-Americano, em Buenos Aires, e uma competição preparatória em data a definir. Depois, de 20 a 25 de abril, o Maria Lenk, que vale como seletiva para Tóquio. Estou preparada. Vou definir tudo com o Fernando Vanzella, meu treinador, para planejar todos os detalhes de mais um ano juntos. A meta é chegar em Tóquio, se tudo der certo, nos 50m livre, 100m livre e 100m costas. Não sei se estarei nos 100m borboleta e no 50m costas, mas as principais são essas - afirmou a nadadora.

O Mundial da Coréia do Sul, em julho, foi uma competição importante para Etiene.

- Foi muito bom ganhar a prata nos 50m costas, nadando com as melhores do mundo. Mais uma medalha para o Brasil e para minha carreira, o que me faz ver que continuo em um nível diferenciado na natação.

Em seguida, ela enfrentou o desafio de sair da Coréia praticamente direto para Lima, o que não foi fácil, no início de agosto. O fuso foi uma dificuldade, mas Etiene superou, como geralmente consegue nos momentos mais difíceis.

- O Pan-Americano foi desafiador, por ser em Lima (Peru), um local que eu não conhecia, fazendo frio naquela época do ano. Às vezes você vê a competição na TV e não sabe o que o atleta passa. Foram cinco dias bem pesados, onde mesmo assim conseguimos cinco medalhas. E o bicampeonato nadando a melhor prova no 50 m livre, outra medalha de ouro, já que eu tinha vencido em Toronto 2015, nos 100 m costas. Um feito bem difícil, mas fui para o Pan com o pensamento de que queria muito aquele resultado - ressaltou Etiene, primeira e única medalhista de ouro do Brasil em Pan-Americanos em provas individuais.

O ano de 2019 foi de mudanças para Etiene Medeiros. A nadadora mudou-se de São Paulo e foi para São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

- Foi um desafio, morar em uma cidade bem diferente, mas com uma estrutura muito boa no Sesi. Piscina coberta, profissionais muito bons. Consigo ter um padrão forte de treinamento.