Cruzeiro se complica, mas rebaixa Avaí com empate no Mineirão

Time celeste decepcionou torcida com jogo burocrático, sem criatividade e força ofensiva muito abaixo do necessário para fazer gols

Cruzeiro e Avaí fizem jogo burocrático

Cruzeiro e Avaí fizem jogo burocrático

Lance

O Cruzeiro fez um jogo de baixo nível técnico e não conseguiu vencer o lanterna e agora oficialmente rebaixado Avaí, não saindo de um frustrante resultado com o time catarinense por 0 a 0 em pleno Mineirão, nesta segunda-feira, 18 de novembro, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A partida decretou a queda dos catarinenses para a Série B e mesmo com a saída nesta rodada da zona do rebaixamento, o Cruzeiro fica colado no Z4 com 36 pontos, apenas um a mais do que o Fluminense, 17º na classificação.

Mais uma vez, o time azul, que empatou pela 15ª vez em 33 jogos, não conseguiu se impor, não teve força ofensiva, tentou 49 jogadas aéreas, sendo que apenas uma teve perigo e deixou o campo vaiado e preocupando ainda mais o seu torcedor, que apoiou até o fim do jogo.

A Raposa não aproveitou a rodada positiva, quando dependia só de si para ganhar três posições e se afastar do Z4, com empate do Fluminense e derrotas de Ceará e Botafogo. O resultado foi desastroso para os mineiros.

O primeiro tempo pode ser resumido no modelo de treinamento praticado pelos times, quando o ataque tenta entrar na defesa em metade do campo para aprimorar as investidas do rival. O Cruzeiro ficou mais da metade da etapa inicial entre a intermediária e a área do Avaí.

Parecia que o Avaí estava contente com o empate, mesmo que o resultado confirmasse matematicamente o rebaixamento da equipe. Os catarinenses não buscaram o ataque, tanto que o atacante Vinicius Araújo ficava solitário, sempre tendo pelo menos dois jogadores da Raposa próximo do avante.

O Cruzeiro mandou 34 bolas na área do rival, mas eram sem direção, jogava na área sem critério, para que os atacantes disputassem a bola em condições ruins para o arremate ao gol. Thiago Neves pediu, inclusive, que a bola seja mais trabalhada pelo chão.

O time catarinense não ficou mais de 30% do tempo com a bola. E, nas raras chances que teve, arriscava de longe , levando algum perigo para Fábio.

A torcida celeste chamou o time de pipoqueiro e pediu raça. Porém, não faltou empenho da equipe e sim, melhor compactação, transição rápida da defesa para o ataque e tentar mais finalizações de fora de área.

Com três avantes, sendo dois de lado de campo, quem tentou driblar a defesa do Avaí para quebrar a retranca foi o zagueiro Cacá, que se apresentou pelo lado direito do campo, tentando alguma jogada.

O time catarinense saiu satisfeito do campo com a igualdade, mesmo que o resultado decretasse de vez a queda do Avaí para a segunda divisão.

A Raposa não consegue bater os rivais em casa e só aumenta a pressão sobre o time para evitar a queda à segunda divisão.

Em sua luta contra o descenso, o Cruzeiro terá mais um grande desafio, desta vez contra o Santos, na Vila Belmiro, sábado, 23 de novembro, às 21h. O Avaí, rebaixado, luta pela sua honra e para deixar a lanterna da Série A diante da Chapecoense, penúltima colocada, no domingo, 24, às 19h, na Ressacada, em Florianópolis.

CRUZEIRO 0 X 0 AVAÍ
Estádio
: Mineirão-Belo Horizonte(MG)
Data-Hora: 18 de novembro de 2019, às 20h
Arbitragem: Diego Pombo Lopez(BA)
Assistentes: Eduardo Goncalves da Cruz(MS) e Elicarlos Franco de Oliveira(BA)
VAR: Elmo Alves Resende Cunha(GO)
Cartões Amarelos: Thiago Neves, Pedro Rocha(CRU), Igor Fernandes, Vinicius Araújo(AVA)

CRUZEIRO: Fábio; Orejuela, Fabrício Bruno, Cacá e Dodô; Henrique e Éderson(Robinho, aos 30’-2ºT);Marquinhos Gabriel(Pedro Rocha-intervalo), Thiago Neves e David(Fred, aos 15’-2ºT); Sassá.Técnico: Abel Braga

AVAÍ: Vladimir, Lourenço, Marquinhos. Kunde e Igor Fernandes; Luanderson(Wesley, aos 39’-2ºT), Pedro Castro, Richard Franco e Luan Pereira(Matheus Barbosa, aos 16’-2ºT); Caio Paulista(Matheus Lucas, aos 46’-2ºT) e Vinicius Araújo.Técnico: Evando

Não foi só Taison e Dentinho! Veja jogadores que sofreram racismo