Corredores de elite do Brasil falam sobre o que esperam da São Silvestre

Os principais nomes do país na atualidade tentam recuperar o topo do pódio da prova, o que não acontece desde 2010 no masculino e 2006 no feminino

Lance

Lance

Lance

Os representantes do Brasil na Corrida de São Silvestre estão confiantes para a 95ª Corrida Internacional de São Silvestre, que acontece nesta terça-feira. Os principais nomes do país na atualidade estarão tentando recuperar o topo do pódio da prova, o que não acontece desde 2010 no masculino, com Marílson Gomes, e 2006 no feminino, com Lucélia Peres.

Daniel Chaves, que vai representar o Brasil na maratona da Olimpíada de Tóqui em 2020, destacou a condição de favorito.

- A expectativa é sempre alta. São Silvestre é alto nível em tudo: preparação, disputas e expectativas. Tenho uma certa responsabilidade nas costas, por ter me classificado para a maratona em Tóquio 2020, mas também é um orgulho para mim e espero representar bem o Brasil - enfatizou.

Para Ederson Pereira, campeão da Volta Internacional da Pampulha, ouro nos 10 mil nos Jogos Pan-Americanos de Lima, ambos neste ano, e quinto na Meia de Buenos Aires do ano passado, o importante será começar a corrida da melhor forma possível.

- Estratégia é fazer boa largada e ficar ali no pelotão da frente. Não deixar os africanos desgarrarem. Provavelmente estará calor e isso deve emparelhar a disputa - disse.

Quem também destacou o calor foi Wellington Bezerra, 18º na Maratona de Hamburgo e vice da Maratona Internacional de São Paulo em 2018.

- Tenho treinado muito, especialmente as subidas, basicamente 99% do meu treino. Faço muito o trabalho de força em rampas. Estou me surpreendendo nas provas pelo Brasil. A minha expectativa é correr na casa dos 45min20s / 46min10s para tentar ficar na briga. Tem outro fator que pode ajudar que é o calor, então se tiver quente, melhor. Sou pernambucano e estou acostumado - disse.

Tatiele de Carvalho, quarta na Dez Milhas Garoto e 5ª na Meia de Buenos Aires (18) e que possui cinco títulos do Troféu Brasil, falou sobre sua nona participação na São Silvestre.

- É sempre uma alegria imensa encerrar o ano participando dessa competição. Estou ansiosa e animada. É sempre bom estar entre as melhores atletas do país. A prova fica mais forte a cada ano e vou fazer o meu melhor. Treinei bastante e espero que seja suficiente para estar no pódio e quem sabe para superar as africanas - contou.