Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Atletas PCD receberão premiação inédita em competição de Bodyboarding

Após sucesso da bateria na última edição, ArcelorMittal Wahine Bodyboarding Pro de 2023 terá prêmios para as melhores colocadas

Lance

Lance|Do R7

A segunda edição do ArcelorMittal Wahine Bodyboarding Pro trará um momento histórico para a modalidade. Depois de inovar no último ano com uma bateria voltada apenas para atletas PCD (Pessoas Com Deficiência), as melhores da categoria também receberão premiações. O evento acontece entre os dias 20 e 29 de abril, na Praia de Jacaraípe, na Serra.

Estreante na competição, Carla Cunha estará pela primeira vez nas praias do Espírito Santo. Apesar de ser pernambucana, a atleta se diz paraibana de coração por ter começado a praticar o esporte por lá. Aos 41 anos, ela teve o bodyboard como uma parte fundamental do processo de aceitação após amputar uma perna em 2016. Foi em 2021 que a modalidade, como Carla mesmo fala, a resgatou.

+ Xangri-lá recebe a primeira etapa do Dream Tour, o Circuito Brasileiro de Surf

- Com certeza será um incentivo e uma ajuda a mais para a categoria, que tem um custo alto em sua realidade de vida. Porém, não devemos esquecer que o verdadeiro motivo que nos reúne é o da inclusão nesse esporte incrível, que traz bastante vida e alegria para pessoas que em algum momento da vida desacreditaram ou se sentiram incapazes - comemorou a atleta.

Publicidade

Letícia de Oliveira Alves tem 14 anos, é a única representante do Espírito Santo no torneio e é atleta do Centro de Referência capixaba, do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Ela tem dupla amputação dos membros inferiores e está treinando desde janeiro.

- O treinamento na praia faz parte do escopo para ampliar o repertório motor, uma vez que ela tem dupla amputação de membros inferiores. No entanto, esse campeonato foi uma excelente oportunidade de não só dar visibilidade para a consolidação da modalidade Bodyboard PCD, mas também afirmar que as mulheres com diferentes deficiências têm toda a possibilidade de expandir o horizonte para práticas corporais, não só no esporte mas para atividade da vida diária e laboral. Basta que aconteça uma adaptação. Desta forma tudo é possível - disse Hudson Renato Oliveira, treinador de Letícia.

Publicidade

Depois de participar do torneio no ano passado, a pernambucana Cintya Belly está de volta para a edição de 2023. Ela surfa desde os 14 anos e descobriu um câncer de mama em 2017, fazendo tratamento desde então. Ela afirmou que a premiação será muito importante para o desenvolvimento da categoria.

- Participar do Wahine 2022 foi um momento grandeoso de amor, união e aprendizado, um mix de sentimentos em minha vida. Minhas expectativas para esse ano são as melhores possíveis. Wahine é um sonho em magia e possibilidades. É um momento extraordinário na vida de todos presentes. Estou muito feliz em poder participar novamente. Independente de cada particularidade, o importante é fazer o que te faz bem e feliz. O mar é o nosso lar - afirmou Cintya.

- A novidade da premiação é de grande importância e valia. Isso torna a possibilidade de integração mais ativa neste ou em qualquer evento, em especial para o atleta PCD. Com o aumento da participação dos atletas, as premiações só tendem a melhorar cada vez mais. Estou muito feliz com esse novo movimento, é muito importante esse olhar carinhoso pra categoria - celebrou a atleta.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.