Lance Atleta do Tijuca celebra convocação para Mundial de vôlei

Atleta do Tijuca celebra convocação para Mundial de vôlei

Atleta disputará o Mundial Sub-18, no México

Lance
Lance

Lance

Lance

Com inspirações como Camila Brait e Fabi que Sophia Dantas vem escrevendo sua história no vôlei. Aos 17 anos, a líbero, que atua no Tijuca Tênis Clube e na seleção brasileira de base, foi convocada, nesta semana, para o Mundial sub-18, no México, onde chegou na quinta-feira.

- Acho que a ficha vai caindo aos poucos, depois de tanto treinamento e até alguns sacrifícios, é muito bom ver que o trabalho está sendo reconhecido. Estou muito feliz por poder representar a camisa verde e amarela – celebrou a atleta.

Sophia começou no vôlei aos 9 anos, em uma escolinha próxima de casa, porque sua mãe, Tatiana, sempre a incentivou a praticar um esporte. E, entre as opções que tinha na época, a filha optou pelo vôlei.

Atuando pelo TTC desde 2018 (antes jogava pelo Flamengo), Sophia começou, ano passado, a ser chamada para passar algumas semanas no Centro de Desenvolvimento de Vôlei, em Saquarema, da CBV, onde as seleções, tanto de base quanto as principais, se preparam para competições:
- Eu sempre fui muito dedicada e sempre quis alcançar a seleção brasileira, então com muito treino e participando de campeonatos importantes, consegui ser vista e chamada para os treinamentos no CDV.

A rotina de treinos em Saquarema é bastante puxada. As jogadoras treinam em dois períodos, além de trabalhar a parte física. E as folgas não são muitas.
E Sophia ainda concilia os treinos e competições com as aulas do CEL Intercultural School, de onde é aluna da 3ª Série.

O colégio, aliás, é um grande aliado no dia-a-dia da líbero.
- Sempre que não estou treinando, tento fazer os deveres da escola. Agora, com o formato on-line, tudo ficou mais fácil, já que consigo ter acesso às aulas a qualquer hora. Então eu assisto às aulas durante meu tempo de folga e quando tenho prova, tento adaptar o horário.

Há 10 anos no CEL, Sophia é muito grata ao colégio, pelo qual colecionou alguns títulos:
- Sem o CEL eu não estaria onde estou agora. Comecei a me interessar mais pelo vôlei quando entrei no time do colégio, que abriu muitas portas para mim. Ganhei Campeonatos Estaduais, Brasileiros e um Mundial vestindo essa camisa. Além disso, o CEL não forma só o aluno, ele sempre teve o objetivo de formar um bom cidadão completo e eu sempre admirei muito isso. E fico feliz de fazer parte dessa instituição.
Coordenadora da unidade Barra da Tijuca, onde Sophia estuda, Camila Fernandes tem muito orgulho pela trajetória da aluna:
- A Sophia é muito esforçada e inteligente, fazemos o possível para ajudá-la a conciliar a vida de estudante com a de atleta. E ela tem se saído muito bem.
Coordenador de Educação Física do CEL, Bruno Senna viu as conquistas de Sophia, nas quadras e nas salas:
- Ela é uma menina excepcional. Sempre pronta para participar dos eventos esportivos pelo CEL. Talentosa e estudiosa. A ida para o Mundial Sub-18 vai coroar a dedicação que ela teve desde que começou a praticar o vôlei no Flamengo – comenta Bruno.

O professor de Educação Física enumera as conquistas da aluna pelo colégio:
- Na praia, foi campeã mundial sub 14 (Tahiti-17), campeã dos Jogos Estudantis Brasileiros sub 17 (Blumenau-19), bicampeã carioca dos Jogos Estudantis do RJ sub-17 (18,19), campeã carioca sub-14 (2017) e vice carioca sub-16 (2019). Na quadra, foi campeã dos Jogos Estudantis do RJ em 2017 (sub-14) e conquistou o bronze dos Jogos Estudantis Brasileiros sub-14 (Curitiba-17).

Além do CEL, a filha multicampeã de Tatiana também demonstra gratidão ao TTC:
- Cheguei lá no meu primeiro ano de infantil, com o intuito de evoluir o meu vôlei, e fui muito bem recebida pelas meninas e pela comissão técnica. Nesses 3 anos, conquistei vários campeonatos, o de Estrela e o Campeonato Brasileiro Interclubes, por exemplo, que são uns dos mais cobiçados da base. Conseguimos o ouro e foram campeonatos muito importantes pra mim. Hoje em dia, posso dizer que eles são como uma família pela história que construímos juntos.

Expectativa pelo ouro
Bastante focada, a líbero da seleção brasileira sub-18 não vê a hora de o torneio no México ter início:
- A expectativa é sempre a melhor, de trazer o ouro. Acho que não existem principais adversários, porque todos são importantes, mas é legal pensar que o principal adversário é sempre o do próximo jogo.

Últimas