Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Ary Borges brilha, Brasil bate Panamá com tranquilidade e assume liderança do grupo na Copa do Mundo feminina

Meio-campista balançou as redes três vezes e deu assistência para Bia Zaneratto marcar o seu

Lance|

Lance
Lance Lance

!É isso, Guerreiras! A Seleção Brasileira estreou com vitória na Copa do Mundo feminina. Em duelo realizado no Hindmarsh Stadium, em Adelaide, na Austrália, a equipe comandada por Pia Sundhage bateu o Panamá com facilidade, pelo placar de 4 a 0. A meio-campista Ary Borges marcou três vezes e, no começo da segunda metade, deu assistência para Bia Zaneratto deixar sua marca.

+ Confira todas as informações da Copa do Mundo Feminina

Com os três gols, Ary se tornou artilheira da edição de 2023, deixando para trás os dobletes de Sophia Smith (EUA), Alexandra Popp (ALE) e Hinata Miyazawa (JAP). A Seleção, com a vitória, assumiu a liderança do grupo F, com três pontos.

Veja os cinco principais lances do confronto

Publicidade

!SEM DEMORA! Logo no primeiro lance da partida, Debinha fez bom trabalho de pivô para Bia Zaneratto, que abriu para o lado esquerdo. Adriana recebeu sozinha na área, mas finalizou em cima da goleira Yenith Bailey, que saiu bem do gol, fechando o ângulo e evitando o primeiro antes dos 40 segundos de jogo.

!O PRIMEIRO! Aos 18 minutos, saiu o primeiro. Em jogada pela esquerda, Tamires achou grande passe no corredor para Debinha. A camisa 9 achou um cruzamento açucarado para Ary Borges, quase como um elemento surpresa na área. A meio-campista, livre de marcação na entrada da pequena área, testou como manda o figurino: para baixo, forte, sem chances para a arqueira Bailey. Gol para diminuir a ansiedade e inaugurar o marcador.

Publicidade

!REPETINDO A DOSE! 20 minutos depois, a Seleção ampliou. Tamires novamente entraria em ação ao soltar com Adriana e usar a profundidade pela esquerda, recebendo de volta. A lateral cruzou na medida para Ary Borges, que de novo, apareceu na segunda trave. Desta vez, Bailey levou a melhor e salvou, mas no rebote, a camisa 17 completou com o pé direito para o fundo da rede. Um 2 a 0 com facilidade e domínio absoluto das Guerreiras do Brasil.

!TINHA QUE SER DELA! A estreia seria incompleta se não houvesse o gol da artilheira. Em uma aula de coletividade, o mapa da mina com Tamires seria explorado novamente. Debinha recebeu da lateral, pisou, tabelou com Adriana e cruzou bola exímia para Ary. A meio-campista, dessa vez, optou por servir de calcanhar e deixou Bia Zaneratto com o gol aberto para comemorar ao melhor estilo Cristiano Ronaldo. A Imperatriz, que era dúvida devido a um desconforto muscular, chegou ao seu gol de número 39 com a Amarelinha.

Publicidade

!QUE NOITE! Para fechar a conta, Ary Borges marcou mais um. Em uma semi-cópia dos outros gols, Tamires achou Gabi Nunes, que fez o trabalho de pivô. A atacante devolveu e a lateral achou Geyse. A craque do Barcelona, campeão europeu, cruzou na medida para a camisa 17 aparecer atrás da zaga e testar entre as pernas de Bailey. Goleada fácil e importantíssima para o saldo de gols da equipe brasileira.

Como foi o primeiro tempo?

A equipe brasileira começou em cima, tendo grande chance com Adriana já na primeira ação. Nos minutos seguintes, Bia Zaneratto e Kerolin tiveram boas oportunidades, faltava apenas calibrar o pé. E se o pé não estava na forma, a cabeça estava: em grande cruzamento, Debinha achou Ary Borges livre na pequena área. A meia cabeceou com estilo, para baixo, e não desperdiçou a oportunidade de abrir o placar. O gol deu tranquilidade e leveza às Guerreiras do Brasil, que seguiram no domínio da partida. Ary Borges, iluminada, apareceu de novo para completar levantamento, desta vez feito por Tamires, e parou em Bailey, mas completou no rebote. Noite australiana e primeira etapa dos sonhos para a meio-campista.

E a segunda etapa?

O time de Pia Sundhage começou a segunda etapa dando um show de jogo coletivo. Tamires, Debinha, Adriana, Ary Borges e Bia Zaneratto trocaram passes até o gol da camisa 16, que voltando de lesão, faz um gol que devolve a confiança. O Panamá, sem muitas forças, finalizou pela primeira vez na partida apenas aos 12 minutos, com Baltrip-Reyes, mas Lelê fez boa defesa. Ary voltaria a brilhar e marcou aos 25 minutos, em cabeçada perfeita após cruzamento de Geyse, que havia acabado de entrar. Depois, o jogo amorneceu e a torcida vibrou com a entrada da rainha Marta, que pouco participou do duelo, mas pisou em campo em um jogo importantíssimo para a sequência da competição.

Como ficou a situação das equipes?

Com o triunfo, a Seleção Brasileira chegou a três pontos e quatro gols de saldo, assumindo a liderança do grupo F da Copa do Mundo. No outro jogo da chave, França e Jamaica empataram sem gols e ficaram com um ponto cada, além de zero de saldo. Na próxima rodada, as Guerreiras do Brasil enfrentam a seleção europeia, que está entre as favoritas para a conquista do título mundial.

+ !Bom para o Brasil! França não sai do zero com a Jamaica em estreia no grupo F

FICHA TÉCNICA

Brasil 4x0 Panamá

Data e horário: segunda-feira, 24 de julho de 2023, às 8h (de Brasília)

Local: Hindmarsh Stadium, em Adelaide (AUS)

Arbitragem: Cheryl Foster (árbitra); Michelle O'Neill e Franca Overtoom (auxiliares); Iuliana Elena Demetrescu (quarta árbitra); Massimiliano Irrati e Hernández Hernández (VAR)

Público: 13.142 presentes

Cartões: não houve

Gols: Ary Borges, aos 19', aos 39' e aos 70'; Bia Zaneratto, aos 48' (BRA)

BRASIL (Treinadora: Pia Sundhage)

Lelê; Antônia (Bruninha), Lauren, Rafaelle e Tamires; Ary Borges (Marta), Kerolin, Luana (Duda Sampaio) e Adriana; Bia Zaneratto (Gabi Nunes) e Debinha (Geyse)

PANAMÁ (Treinador: Ignacio Quintana)

Yenith Bailey; Katherine Castillo, Rosario Vargas (Carmen Montenegro), Yomira Pinzón, Carina Baltrip-Reyes e Hilary Jaén (Wendy Natis); Natalia Mills (Lineth Cedeño), Aldrith Quintero (Deysire Salazar), Schiandra González e Marta Cox (Emily Cedeño); Karla Riley (Riley Tanner)

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.