'Apaixonado' pelo Vasco, Guarín diz que pode indicar reforços ao clube

Colombiano exalta história vascaína, projeta títulos no Cruz-Maltino e fala até em aposentadoria na Colina

Lance

Lance

Lance

Não é surpresa que o carinho de Fredy Guarín pelo Vasco foi fator determinante nas negociações por um novo contrato. "Apaixonado" pelo clube, como ele mesmo frisou, o volante, inclusive, fez uma tatuagem na cruz de malta. Em entrevista ao canal "Atenção, Vascaínos", o colombiano se declarou ao Cruz-Maltino.

- Desde o momento que cheguei no Rio de Janeiro, senti logo o que eu estava precisando, paixão, amor, emoções que se vive no dia a dia. O grupo de jogadores, a família que convivo todos os dias. Quando entrei em São Januário, senti a energia e foi automático, começa a se arrepiar, foi isso que senti no Vasco. Eu precisava disso e consegui. Além da paixão que estou vivendo, sou de família de negra, parte da família da minha mãe é negra e, desde que cheguei, já vinha com aquele pensamento, aquela leitura do que foi o Vasco nos anos antepassados. Para mim, foi muito importante como o Vasco conseguiu construir essa história bonita, história que apaixona qualquer pessoa, de sacrifício, amor e raça. Me relaciono muito com isso - disse.

- O amor fica pela vida. O amor pelo Vasco já está na minha pele, se tiver que finalizar minha carreira aqui, vamos finalizar com toda atitude, amor, profissionalismo, gratidão e agradecimento por tudo que estão me dando. Além do dinheiro, o que move a vida é o amor. O amor move o ser humano. O futebol me dá o que eu precisava e me deu o Vasco. Mais do que desfrutar como jogador, é agradecimento pela vida. Independente da situação particular do Vasco, estou feliz, contente e estou aqui para ajudar o clube a retornar o patamar que merece estar. Sei que ainda não ganhei nada aqui. O que me encanta é o carinho. Meu sonho é terminar a carreira com um título no Vasco - completou.

Ajuda com reforços

- Sou jogador, não sou ainda presidente, quem toma as decisões são eles. Mas se me perguntarem um dia, como fez o Luxemburgo com o Dayro Moreno, por exemplo. Dei minhas referências e vemos se é isso que precisamos. Damos a indicação do jogador e se pudesse ajudar a trazer alguém que eu visse que era importante, vou contribuir com certeza.

Ramon Menezes

- Desde o dia que conheci o Ramon peguei uma energia com ele. O abracei todos os dias que nos vimos. Não estou querendo puxar saco, porque não preciso. Ele o ano passado era assistente, então treinávamos as faltas com ele. Esse sentimento que tivemos desde o primeiro dia é o que precisa o grupo. Ele é uma pessoa jovem, que conhece cada um de nós. Acho que isso vai ser muito importante. Estaremos sempre disponíveis e tentaremos ajudar para facilitar o trabalho dele.