Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Relatório do STJD divulga nomes de árbitros e jogadores acusados por Textor

Dono da SAF do Botafogo fez graves acusações sobre manipulação de resultados, mas não apresentou provas concretas

Jogada 10

Jogada 10|Do R7


Foto: Roque de Sá/Agência Senado

A situação de John Textor, dono da SAF do Botafogo, pode ficar complicada no futebol brasileiro. Nesta sexta-feira, o STJD publicou o relatório da conclusão do inquérito relacionado as acusações, por parte do empresário americano, de manipulação de resultados no Campeonato Brasileiro.

Mas, além disso, no relatório divulgado no site oficial do tribunal, os nomes de jogadores e árbitros acusados pelo empresário americano estão cobertos, mas é possível identificá-los.

Os jogadores e árbitros que Textor acusou

De acordo com o relatório do STJD, a Good Game, empresa contratado por John Textor, apontou “categoricamente” que duas partidas do Brasileiro foram manipuladas. A empresa citou Palmeiras 5 a 0 São Paulo, no dia 25 de outubro, e Bahia 1 a 2 Grêmio, no dia 1º de julho. Outras sete partidas, inclusive, não citadas no relatório do STJD, apareceram como “suspeitas”.

Publicidade

Textor, inclusive, também afirmou que o Palmeiras foi beneficiando com a expulsão de jogadores adversários em cinco partidas:

Goiás 0 x 5 Palmeiras; Palmeiras 1 x 0 Goiás; Palmeiras 1 x 0 Fluminense; Palmeiras 1 x 0 Bahia e Botafogo 3 x 4 Palmeiras

Publicidade

Na goleada do Palmeiras por 5 a 0 sobre o São Paulo, John Textor acusou, sem provas, cinco jogadores de possível manipulação.

Diego Costa; Rafinha; Gabriel Neves; Lucas Beraldo e Caio Paulista 

Na outra vitória do Palmeiras por 4 a 0 sobre o Fortaleza, pelo Campeonato Brasileiro de 2022, foram quatro jogadores do time cearense acusados por Textor:

Juninho Capixaba; Tinga; Marcelo Benevenuto e Fernando Miguel

Sete árbitros, aliás, também sofrem acusações de John Textor. Eles, afinal, tiveram seus nomes revelados no relatório do STJD:

Raphael Claus (duas vezes); Ramon Abatti Abel; Rodrigo José Pereira de Lima (três vezes); Rafael Rodrigo Klein; Rafael Traci; Wagner do Nascimento Magalhães e Sávio Pereria Sampaio 

Críticas a Textor

O auditor Mauro Marcelo de Lima e Silva, aliás, criticou duramente as ‘provas’ apresentadas por John Textor. Ele, inclusive, cita que a acusão é uma ilusão quase bem-intencionada.

“Textor contratou os serviços da empresa ‘Good Game’ a pretexto de forjar pretensas provas acerca de falsas manipulações de partidas, em prejuízo dos direitos das pessoas físicas e jurídicas injustamente por ele acusadas”, escreveu Mauro.

“Os sistemas se mostram como pretensas soluções milagrosas que, na realidade, não passam de fantasias tecnológicas. A ideia de que um algoritmo pode garantir justiça absoluta no esporte é, infelizmente, apenas um sonho. A confiança depositada nesses métodos pela ‘Good Game’ é, na melhor das hipóteses, uma ilusão quase bem-intencionada’, diz o auditor em outro trecho do documento.

Siga o Jogada10 nas redes sociais: TwitterInstagram e Facebook

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.