Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Flamengo + VAR + Bráulio Machado + hostilidade da Arena

Gabriel decidiu três Libertadores para o Flamengo. Uma, em 2021, o belga entregou ao Palmeiras. E, de novo, ele meteu mais um. Flamengo...

Jogada 10

Jogada 10|Do R7


Jogada10
Jogada10

Flamengo e Athlético fizeram uma partida equilibrada na primeira metade da etapa inicial, mas o time carioca foi recuando instintivamente, pela vantagem e pelo fato de jogar fora, dando a bola e espaço aos paranaenses, que passaram a ter o controle do confronto, sem sofrer ameaça, pois o visitante não conseguia concluir os contra-ataques. Na realidade, as duas equipes erravam muitos passes, e não criavam chances efetivas, dando pouco trabalho ao editor de TV que seleciona os melhores momentos.

Flamengo abre o placar

Mas, na sequência, o cidadão passou a se mexer. Com meia hora, Canobbio pôs Vitor Roque de frente para Matheus Cunha, mas David Luiz travou no momento certo. O Flamengo parecia conformado com o resultado obtido no Rio. Aos 34, Vitor Roque recebeu na área, girou, e bateu na trave esquerda. Aos 38, Thiago Maia, fora de sintonia, comete falta nele, Vitor Roque, e Vitor Bueno cobra com violência. Matheus Cunha rebate. Mas não há ninguém no rebote. O ideal, para o time carioca, é aguardar o fim do primeiro tempo. E, no entanto, como no futebol tudo é possível, Arrascaeta cabeceia, e Erick repete o gesto do uruguaio, metendo contra: 1 a 0 para o Flamengo. Nos acréscimos, Khellven, livre, completa cruzamento para fora.

Apesar do placar, a equipe carioca precisa corrigir os muitos equívocos, essencialmente espaço em excesso ao Athlético, e o hábito de roubar e devolver a bola, permitindo ao time local mandar no jogo. No recomeço, o Rubro-Negro do Paraná desfez o 3-5-2, trocando Zé Ivaldo por Esquivel. A ordem é atacar. Mas é fato que o Flamengo voltou sem mudança, pois faz esforço para desarmar e entrega ao adversário, que continua ameaçando, tornando o empate bastante provável. Seria cansativo descrever todas as conclusões da equipe da casa, dentro e fora da área.

E Gabigol outra vez

Aos 15 minutos, porém, Gabriel recebeu em posição absolutamente legal, driblou o goleiro, marcou o gol, e a arbitragem – e o extraordinário VAR, o dono atual do futebol – anulou. Mais claro, impossível, mas não valeu. Vitor Hugo – estava em campo? – sai e entra Allan. Flamengo agora com 11. E o jogo aumentou de intensidade, pois a necessidade de empate torna a partida dramática. O Athlético tira Erick e lança Pablo, mais um atacante. Muita água para rolar. Aos 31, Thiago Maia faz outra falta e dá enfim a vaga para Léo Pereira. Os escanteios a favor do time da casa são contínuos. Para os paranaenses, o relógio tem velocidade de maratona. Para a equipe da Gávea, acabou a pilha, pois os ponteiros não saem do lugar. Wesley Carvalho põe Cuello e Mádson. A pressão é insuportável. Gérson e o doce Thiago Heleno trocaram gentilezas e foram expulsos.

Publicidade

Aos 92, no entanto, Gabriel enfiou o segundo. Roga-se que tenham aprendido a lição. Gabriel não pode ser substituído. Flamengo 2 x 0 Athlético + VAR + Bráulio da Silva Machado + hostilidade da Arena. A noite é fria em Curitiba, nessa época do ano, e lugar quente para chorar é a cama, por baixo dos cobertores.

Siga o Jogada10 nas redes sociais: Twitter, Instagram e Facebook.

"

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.