Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Dupla Gre-Nal enfrenta sequência de jogos semelhante a temporada da NBA

Especialistas apontam as principais diferenças existentes entre os jogadores da NBA e o que Grêmio e Internacional terão que fazer...

Jogada 10

Jogada 10|Do R7

Foto: Filipe Maciel

A dupla Gre-Nal volta a campo neste final de semana para duelos pela Libertadores e Sul-Americana. O duelo pelas competições continentais serão o terceiro dos seis jogos pendentes que os gaúchos precisam cumprir em um período de 20 dias, após o adiantamento das partidas causado pelas catástrofes que assolaram o Rio Grande do Sul.

Os principais desafios enfrentados pelos atletas são o curto período de descanso entre os jogos e viagens longas e significativas – para se ter uma ideia, o Colorado já rodou mais de 3.800 km para poder realizar as partidas.

Equipes fazem temporada parecida com as equipes da NBA

Publicidade

A recente maratona ilustra um desafio comum em muitos esportes profissionais, incluindo o basquete. No entanto, existem diferenças significativas na forma como essas sequências são abordadas em cada um dos esportes. Especialmente na NBA, os times enfrentam uma temporada regular longa, com 82 jogos, frequentemente viajando de uma cidade para outra para disputar partidas consecutivas. No entanto, a NBA possui recursos que permitem uma gestão mais eficaz do desgaste físico e das viagens.

“Inicialmente começamos pelo tamanho da quadra, com dimensões menores. Além disso, temos o tempo de partida, também mais curto em relação ao futebol, com intervalos entre os quatro períodos. O basquete também permite substituições a qualquer momento da partida. Estas características facilitam o maior descanso dos jogadores e reposição de carboidratos”, explicou Flávia Magalhães, médica do esporte, especialista em gestão de saúde e performance de atletas.

Publicidade

“A realidade do futebol é diferente, desde o tipo de piso até a temperatura, com exposição solar, tempo maior de jogo, distância percorrida, força, número de substituições e paralisações ao longo da partida. Isto torna o futebol um jogo com maior desgaste físico, o que impacta na performance quando se tem intervalos menores entre as partidas”, acrescentou.

As estratégias para a dupla Gre-Nal se recuperarem

Publicidade

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) chegou a suspender as atividades dos times gaúchos, assim como a Conmebol, que também adiou as suas partidas em competições internacionais. Guinter Pritsch, fisioterapeuta esportivo do Juventude e membro da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva e Atividade Física (Sonafe), destaca a importância de estratégias eficazes de recuperação para enfrentar a maratona, após um longo período sem atividades.

“É importante ter estratégias de recuperação dos atletas. Aqui no Brasil, isso já está bem implementado, tanto no pré-treino quanto no pós, o que acelera o processo de reabilitação”, observou. “Realizar trabalhos em academia e em terrenos de campo sintético. Assim como estar em sintonia com os fisioterapeutas, favorece a parte tática e física da equipe, contribuindo para que seja possível suportar a maratona de jogos, mesmo após o tempo parado” , completou o especialista.

A dupla Gre-Nal, por sua vez, tenta voltar ao normal. O Inter voltou a campo no dia 28 de maio após mais de um mês sem disputar uma partida oficial. O curioso é que o clube percorreu até o momento 3.821 km e não atingiu ainda nem a metade do que terá de percorrer. Serão ainda mais 12.193 km para encerrar a jornada de 16.022 km. O Grêmio também enfrenta uma maratona de seis jogos fora de casa. No entanto, diferente do rival, que optou por atuar em estádios diferentes, terá uma logística mais favorável, com três partidas no Couto Pereira.

Siga o Jogada10 nas redes sociais: TwitterInstagram e Facebook.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.