Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Cuca declara: ‘Me comprometo a combater a violência contra a mulher’

Técnico, após a estreia no Athletico, lê texto no qual diz que a sociedade mudou, ele também e que a partir de agora será uma voz para...

Jogada 10

Jogada 10|Do R7

Foto: Reprodução/Rede Furacão
Foto: Reprodução/Rede Furacão Foto: Reprodução/Rede Furacão (Jogada 10)

No fim da coletiva deste domingo (10/3), quando falou sua estreia no comando do Athletico (6 a 0 sobre o Londrina, que levou o time à semifinal do Paranaense), Cuca falou sobre a situação que viveu nos últimos meses por causa de críticas que recebeu sobre a sua conduta no caso de violência sexual a uma mulher na Suíça, no fim dos anos 80. O caso ganhou holofotes em 2023, quando a torcida do Corinthians pediu a sua saída, pouco depois de assumir o time. Afinal, a decisão do caso (ele foi julgado à revelia e jamais cumpriu qualquer pena) sempre foi considerada nebulosa. Isso levou Cuca a se afastar do futebol até que a situação fosse resolvida de vez na Suíça. Há semanas, o caso foi encerrado com a sua descondenação, pois o caso estava prescrito e o filho da vítima (já falecida) não quis reabrir o processo.

Sem esconder que estava nervoso, Cuca leu uma declaração na qual afirmou que aprendeu com tudo o que passou nos últimos tempos. E que pretende se tornar uma voz que vai se levantar na luta para diminuir a violência contra a mulher.

“Eu pensei que estava livre de minha angústia quando a resolução tinha acontecido na Suíça, com a anulação, descondenação, indenização. Mas não acabou. Afinal, entendi não dependia de uma decisão judicial. Mas, também entender o que a sociedade espera de mim. E vocês vão ver daqui para frente da minha parte. Não serão apenas palavras. Mas atitudes. Estou junto nessa causa a e me comprometo a ajudar” disse Cuca” lembrado que teve a ajuda da mulher e das filhas na redação do texto que leu.

Veja abaixo os outros trechos da declaração do treinador na noite deste domingo:

Publicidade

Cuca sem cobrança até 2023

“Escolhi me recolher por muito tempo e mesmo assim pude seguir minha vida. Uma mulher que passa por qualquer tipo de violencia, ela não consegue seguir a vida sem permanecer machucada, pois o impacto dura para sempre. Pude levar minha vida contornando a história porque o mundo do futebol e o mundo dos homens, onde eu vivo, não tinha me cobrado nunca nada durante anos. Mas, hoje o mundo está mudando. E para melhor. Por isso, me dei conta que não adianta eu ser um grande treinador, pai, marido, irmão se eu não entender que o mundo é feito de outras coisas sem ser o futebol e que eu faço parte dessas coisas.”

Silêncio soando como covardia

“Eu enxergava os problemas, recorrentes no universo do futebol. Mas me calei porque a sociedade permitia que um homem se calasse. Agora entendo. Não posso mais me recolher e ficar calado, pois o silêncio soa como covardia. Busco ouvir mais e comprender mais. Não posso mudar o passado. Quantos homens que agora me escutam são capazes de olhar para o passado e rever suas atitudes? A gente sabe que o mundo é um lugar diferente para homens e mulheres. Quando a gente enxerga isso, podemos até resistir, mas algo muda na gente. Esse é o primeiro passo. Depois, o sentimento é o de real desejo de mudanças. Porém, mudanças honestas e verdadeiras levam tempo. São dolorosas e desafiadores. Entendo que a realidade tem de ser transmformada e que o mundo seja mais seguro para mulheres”.

Publicidade

“O mundo do futebol, ainda é um mundo com muito preconceito. Entendo que quando me cobram não é somente sobre mim. É sobre a forma como nós, homens, e a sociedade tratam as mulheres com desigualdade e de maneira violenta. Não estou falando como uma fala isolada para agradar alguém ou da boca pra fora. Se fosse, assim me manifestaria antes. Falo de coração”.

Educar os jogadores na base

“Tenho me dedicado e me comprometo a aprender cada vez mais e fazer mais parte dessa transformação. Posso fazer isso com o poder da educação. Quero ajudar e jogar luz sobre a gravidade e seriedade da violência contra a mulher. E usar a voz que tenho. Ao mesmo tempo que me educo, educar outros homens, principalmente com os jovens no futebol. Tudo isso é desafio para qualquer jovem, muitos se perdem no caminho, a vida muda rapidamente. Somos levados a pensar que podemos tudo, inclusive desrespeitar as mulheres. É ali com os garotos que conseguimos sensibilizá-los e mudá-los. Todos deveriam entender o que estou aprendendo. Sucesso dinheiro e fama não servem para nada se você se perder no caminho”.

Siga o Jogada10 nas redes sociais: TwitterInstagram e Facebook.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.