Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Críticas, abaixo-assinado e até STF: a luta do Vasco para reabrir São Januário

Na tarde desta quarta-feira, estádio estará em julgamento novamente sobre interdição; MP faz exigência de biometria

Jogada 10

Jogada 10|Do R7

Vasco tenta reabrir São Januário
Vasco tenta reabrir São Januário Vasco tenta reabrir São Januário

O dia D para São Januário chegou. Na tarde desta quarta-feira (30), a Justiça vai julgar o recurso do Vasco para tentar reabrir o estádio com a presença de público. Já são 69 dias de interdição, desde os incidentes após a derrota para o Goiás, pela 12ª rodada do Brasileirão. Desde então, o processo caminhou lentamente, e o clube e políticos tentaram de abaixo-assinado até mesmo o STF para inverter a decisão.

A princípio, São Januário não podia receber jogos de futebol. Em seguida, o Vasco obteve uma liminar que liberou o uso da casa cruz-maltina, mas com portões fechados. Assim, o time enfrentou Cruzeiro, Athletico e Grêmio dessa forma. Na vitória sobre o Atlético, enfim voltou a ter torcedores porque conseguiu transferir o confronto para o Maracanã, mesmo em meio à disputa judicial com Flamengo e Fluminense.

Neste período, a diretoria cruz-maltina, tanto institucional quanto da SAF, se reuniram com órgãos públicos e saíram com apoio para reabertura do estádio. Atualizou laudos e prometeu, em reunião com o Ministério Público, agilizar um plano de medidas para melhorar e alargar os acessos. Paralelamente, depende da Prefeitura autorizar obras de revitalização do entorno de São Januário. 

Polêmico texto sobre São Januário

A questão se tornou ainda mais relevante por conta da divulgação do polêmico texto da decisão monocrática do juiz Bruno Arthur Mazza Vaccari. Nele, o magistrado cita que a interdição também se dá "pela comunidade da barreira do Vasco, de onde houve comumente estampidos de disparos de armas de fogo oriundos do tráfico de drogas lá instalado"; e que as ruas estreitas "sempre ficam lotadas de torcedores se embriagando". A acusação de preconceito e elitismo se tornou uma das armas do clube.

Publicidade

Compartilhe esta notícia no Whatsapp

Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

Afinal, não é comum haver notícia sobre tumulto e violência no entorno do estádio. Na verdade, o Vasco começou a divulgar e apoiar o "Sambarreira", que é uma roda de samba, com músicas autorais sobre o clube, em uma das tendas do lado de fora do estádio. A própria comunidade protesta sobre a decisão pelo prejuízo financeiro repentino.

STF envolvido

Além disso, em consequência da decisão, o deputado Aliel Machado Bark (PV-PR) ingressou com uma ação do STF (Superior Tribunal Federal) alegando preconceito pelo texto do juiz Marcello Rubioli, do Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos, que disse que há "disparos de armas de fogo oriundos do tráfico de drogas lá instalado", em referência à comunidade.

Publicidade

Isso gerou, também, o envolvimento da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, motivando um abaixo-assinado proposto pelo vereador Tarcísio Motta. O documento, por sinal, já se aproxima de 15 mil assinaturas.

Carros de luxo que Neymar pediu ao Al-Hilal custam R$ 11 milhões; conheça os modelos

" gallery_id="64ee55d2416eb9ae8000141d" url_iframe_gallery="esportes.r7.com/jogada-10/criticas-abaixo-assinado-e-ate-stf-a-luta-do-vasco-para-reabrir-sao-januario-30082023"]

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.