Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Brasileira que vai a jogo contra Espanha diz: ‘Vini Jr não é o único a sofrer racismo’

Parananense, Camila Matheus da Silva mora em Madri há dois anos; ao J10, ela relata lutas constantes em razão da cor de sua pele

Jogada 10

Jogada 10|Do R7

Foto: Felipe David Rocha;/Jogada10
Foto: Felipe David Rocha;/Jogada10 Foto: Felipe David Rocha;/Jogada10 (Jogada 10)

Cerca de 15 km da Ciudad Deportiva do Real Madrid, onde Vini Jr falou abertamente sobre racismo na sala de imprensa, na segunda-feira (25), uma brasileira convive há dois anos com situações semelhantes às do craque da Seleção e do clube merengue.

Se por um lado Vini Jr se abriu diante de quase cem jornalistas, que segundos depois, contribuíram para o assunto ganhar as redes sociais e chegar a milhões de pessoas, por outro os motivos que levam Camila Matheus da Silva a sofrer não ecoam na sociedade.

Ao conversar com o Jogada10, a curitibana de 29 anos deu uma entrevista que deveria ser tão histórica quanto a de Vini Jr. Por ser única. Afinal, o racismo não se restringe ao esporte.

Camila, aliás, já comprou seu ingresso para acompanhar o amistoso da Seleção Brasileira contra a Espanha nesta terça, no Santiago Bernabéu. Seu sonho? Conversar com Vini Jr e dizer que ele não está sozinho nessa luta fora do seu país de origem.

Publicidade

Depois que os casos se intensificaram na Espanha, em 2022, o atacante brasileiro não se pronunciou mais em eventos do clube. A brasileira também adotou o silêncio, mas por falta de perspectiva sobre uma solução.

Dois anos na Espanha e nada muda

Há dois anos em território espanhol, ela trabalha em dois lugares para ter condições de dividir um apartamento com mais uma pessoa. Neste período, muitos foram os casos. Mas ela relata dois deles com dor irremediável.

Publicidade

“Eu estava na fila de um supermercado aqui em El Carmen, onde moro. Uma mulher que aparentava ter uns 40 anos tocou no meu ombro e disse ‘Volta para o teu país. Aqui a prioridade é minha’. Mas eu retruquei de imediato: ‘Você vai ficar atrás de mim porque aqui é o meu lugar. Se quisesse ser atendida mais cedo, chegasse antes”, rebateu a brasileira, que chorou compulsivamente ao chegar em casa naquele dia.

Assim como Vini Jr rechaçou a possibilidade de deixar a Liga Espanhola por causa dos casos de racismo, Camila também falou sobre o peso antirracista em sua vida. E quer continuar no país em meio ao incômodo pelo doloroso assunto.

Publicidade

“Já pensei em largar tudo e ir embora, sim. Mas se faço isso, estou dando justamente o que os racistas querem. Vou seguir vivendo a minha vida. E me defendendo sempre que for preciso. Conheço outras histórias de pessoas que sofrem a cada dia com isso”, frisou a brasileira.

“Uma moça que pagava aluguel de um quarto fazia arroz até que a dona do imóvel veio e cuspiu na panela em que estava sendo preparado o alimento. Ela não tinha mais dinheiro e teve de comer junto com sua filha. Se eu seguir contando você vai chorar… mas não me abalo. Tenho sonhos e sei que um dia realizarei cada um deles”, encerrou.

Torcedora do Athletico-PR, Camila vestirá a camisa Canarinho disposta a empurrar o Brasil no amistoso desta terça-feira diante da Fúria, no Santiago Bernabéu. O duelo marca o encerramento da primeira Data-Fifa da Seleção sob o comando de Dorival Júnior.

Siga o Jogada10 nas redes sociais: TwitterInstagram e Facebook.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.