NOTÍCIAS

ESPORTES

DIVERSÃO

MEU ESTILO

BLOGS

RECORD TV

VÍDEOS

SERVIÇOS

Futebol

Título do Campeonato Brasileiro de 1987 volta a opor Sport e Flamengo no STF no próximo dia 18

Cariocas entraram com recurso da decisão do STJ que garantiu título aos pernambucanos

Título do Campeonato Brasileiro de 1987 volta a opor Sport e Flamengo no STF no próximo dia 18

Estefan Radovicz/Folhapress

Título de 1987 também movimenta disputa pela Taça das Bolinhas

Pedro Ladeira/Folhapress - 29/3/2017

Marco Aurélio Mello confirmou que caso estará na pauta do dia 18

Quase 30 anos depois do campeonato, a controvérsia jurídica em torno do título brasileiro de 1987 terá um novo e, aparentemente, decisivo capítulo no próximo dia 18, em Brasília. Em vez do estádio Mané Garrincha, a arena será o plenário da 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). É onde se enfrentarão Flamengo e Sport, no julgamento de um recurso dos cariocas contra uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que garantiu aos pernambucanos o direito de serem os únicos campeões de 1987 reconhecidos pela CBF.

O julgamento do recurso, iniciado em agosto, será retomado após o pedido de vista (interrupção para análise, no jargão jurídico) feito pelo ministro Luís Roberto Barroso na sessão de 2 de agosto de 2016, após o relator do processo, ministro Marco Aurélio Mello, já havia inaugurado o placar a favor do Sport. Barroso precisou de 6 meses para liberar o recurso para julgamento. E o ministro Marco Aurélio, na condição de presidente da 1ª Turma do STF, confirmou ao Estado de S. Paulo nesta quinta-feira que irá colocá-lo na pauta da sessão marcada para a tarde do dia 18.

Na sessão de agosto, o ministro Luiz Fux disse não poder participar do julgamento porque o filho dele, Rodrigo Fux, atuou como advogado do Flamengo na ação. Poderão votar os ministros Alexandre de Moraes e Rosa Weber. O placar está 1 a 0. Se houver igualdade em 2 a 2, o desempate ficará por conta do decano, o ministro Celso de Mello, da 2ª Turma do STF, que seria convocado pelo critério de antiguidade.

O confronto entre Flamengo e Sport, nos gramados, não chegou a ser jogado na Copa União, como foi chamado o Brasileirão de 1987. A CBF estava em crise financeira e permitiu que o recém-criado Clube dos 13 organizasse o torneio, que foi dividido em dois módulos, com times que compunham a primeira divisão. Já iniciado o campeonato, por influência da CBF, foi determinada a disputa de um quadrangular entre os vencedores e vice-campeões de cada um dos dois módulos. Flamengo e Internacional, campeão e vice do Módulo Amarelo, recusaram-se a jogar e perderam por W.O. os jogos para Sport e Guarani. Na disputa entre estes dois, deu a equipe pernambucana, declarada campeã.

A disputa na Justiça principiou já em 1988. O Sport teve decisão favorável em 1994 para ser considerado campeão único. Em 2011, a CBF declarou os rubro-negros cariocas campeões em conjunto com os recifenses, que recorreram e reverteram a decisão ainda naquele ano. O órgão que comanda o futebol brasileiro, então, voltou atrás e considerou o time pernambucano "único campeão brasileiro de futebol profissional de 1987".

A decisão válida atualmente foi tomada em abril de 2014 pela 3ª Turma do STJ, ratificando o Sport como detentor do título e negando a CBF a dividir. Os cariocas já tiveram uma derrota no STF, quando o ministro Marco Aurélio - torcedor do Flamengo - negou liminar. Agora terá uma nova chance.

"Para mim, tudo terminou em 1987 com aquele gol do Bebeto", disse o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, referindo-se à final do Módulo Amarelo contra o Inter. "O que está em jogo não é quem foi campeão, que foi o Flamengo. O que está em jogo é se a CBF pode ou não reconhecer o Flamengo como o campeão", comentou. Ele disse não saber se, em caso de derrota, o clube proporá novo recurso.

No voto dado em agosto, Marco Aurélio Mello diz que mantém o entendimento pró decisão do STJ, que garantiu a exclusividade ao Sport. "Quando o judiciário bate o martelo, em que não cabe mais recurso nem ação rescisória, tem que ser respeitado o pronunciamento", afirma.

"A coisa julgada tem proteção constitucional, então a CBF não poderia proclamar posteriormente os dois campeões. Se você flexibiliza, passa a ser, sob a minha ótica, um precedente perigoso. Paga-se um preço por se viver em um estado democrático, que está ao alcance de todos: é o respeito às regras estabelecidas, principalmente constitucionais", afirmou Marco Aurélio.

Mais polêmica
A decisão não movimenta apenas o Campeonato Brasileiro de 1987, mas também a polêmica Taça das Bolinhas. O troféu, originalmente denominado de Copa Brasil, seria entregue ao clube que primeiro vencesse o Campeonato Brasileiro três vezes seguidas ou cinco vezes alternadamente a partir de 1975. Em 2010, a CBF entregou o troféu ao São Paulo, reconhecendo então que o Sport era o campeão de 1987.

Reprodução

Camisas cheias de patrocínio são comuns no futebol. Afinal, os clubes precisam quebrar a cabeça para não fechar o mês no vermelho. Porém, quando a crise aperta, qualquer ideia é valida, até mesmo a do Washington Square FC, time amador dos Estados Unidos. O clube escolheu o Red Tube, um dos principais sites eróticos do mundo, para ocupar o principal lugar da camisa

Reprodução/Abigobaldo

A ação do Washington não está sozinha. O grupo Calcinha Preta resolveu investir no River-PI para expor o nome da banda

Reprodução/Torcedores.com

Seguindo o mesmo caminho, o Coritiba também apareceu como plataforma de divulgação. No caso dos paranaenses, a cantora Claudia Leite avisou até data do show

Reprodução/Torcedores.com

Jogadores de futebol precisam manter a dieta e os treinos fortes para se manterem em forma e prontos para os campeonatos, mas o Getafe-ESP aparentemente não se importa muito com alimentação saudável e estampou a marca de um fast food na barriga

Reprodução

Em 2009, o Flamengo apresentou sua nova camisa e, de um jeito muito bizarro, fez mistério sobre a fornecedora de material esportivo

Reprodução

No entanto, o Rubro-Negro não foi o primeiro a lançar a moda. Em 1998, o São Paulo apareceu com a camisa "Bom...???" e na conquista do Paulistão jogadores apareceram com o nome inteiro do patrocinador

Reprodução

O Duque de Caxias resolveu usar o espaço para avisar as empresas que elas podem investir na camisa do time

Reprodução

Apostar na cultura e no cinema é uma atitude importante, mas o Juventude acabou errando na hora de escolher o melhor filme

Divulgação/Portuguesa

Rebaixada no tapetão após o polêmico "caso Heverton", a Portuguesa recebeu uma empresa de tapetes para patrocinar sua camisa

Reprodução

Fenômeno nas redes sociais, o canal de humor "Porta dos Fundos" usou o futebol para divulgar sua marca e não precisou de muita coisa para o público entender

Reprodução

O Paraná tentou de uma vez por todas ajudar seus torcedores com problemas de visão

Reprodução

Pirataria é crime? Aparentemente o Palmeiras não sabia disso nos anos 80 e resolveu expor em sua camisa a famosa galeria paulista, que é especialista em produtos falsos

EsportesR7 agora também no YouTube. Inscreva-se

Publicidade
Ir para versão mobile