Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Suspeito conta detalhes da tortura e do assassinato de Daniel

RecordTV teve acesso ao depoimento de Eduardo Henrique da Silva, que confessou participação no crime e contou como foi o assassinato do jogador

Futebol|Carla Canteras, do R7, com informações da RecordTV

O suspeito Eduardo Henrique Silva, que está detido no Paraná
O suspeito Eduardo Henrique Silva, que está detido no Paraná O suspeito Eduardo Henrique Silva, que está detido no Paraná

O suspeito de ter participado da morte de Daniel Corrêa Eduardo Henrique da Silva, de 19 anos, prestou depoimento na última segunda-feira (12). A RecordTV teve acesso ao documento.

O jovem contou em detalhes o que aconteceu com o jogador da saída da festa até o matagal, onde o corpo foi deixado em uma área remota de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Eduardo conta que Edison Brittes disse que "talarico tem que ser capado". Talarico é gíria para homem que mexe com mulher comprometida. Na sequência, o réu confesso ainda parou o carro de ré e afirmou: "Eu vou capar esse cara e preciso que vocês vão junto [sic]. Eu vou jogar ele no meio da rua e preciso da ajuda de vocês dois porque sozinho eu não consigo".

Veja mais: Caso Daniel: Imagens em shopping flagram Brittes com testemunhas

Publicidade

Leia também

Depois, Brittes teria ido até a cozinha e pegado a faca usada para matar e cortar o órgão genital de Daniel. Antes de retornar ao carro, ele ainda teria afiado a faca no chão. David Vallero e Ygor King teriam visto tudo o que aconteceu. Nenhum dos três suspeitos foram ameaçados por Edison para acompanhá-lo no assassinato do atleta.

Eduardo afirmou que Brittes foi aconselhado pelos três outros suspeitos a deixar o jogador na rodovia BR 376, mas disse que não, que sabia para onde ir.

Publicidade

De acordo com o depoimento, o réu confesso estava com o celular de Daniel e olhava o aparelho a todo tempo. Quando chegaram próximo a uma plantação de pinus (tipo de pinheiro), ele parou o carro e todos desceram. Edison Brittes tirou o jogador de dentro do porta-malas e que, ainda com as pernas de Daniel dentro do veículo, já "passou a faca no pescoço de Daniel".

Veja mais: 'Caso Daniel': crime, barbaridade e reviravoltas em depoimentos

Publicidade

Depois, o corpo foi levado para a plantação de pinus. Lá, Brittes decepou a genitália de Daniel.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Do Cruzeiro ao São Bento: Relembre a trajetória do meia Daniel

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.