"Renuncio para o bem do Cruzeiro", afirma Wagner Pires de Sá

Dirigente deixa a presidência do clube dizendo que disputas políticas internas contribuíram para o inédito rebaixamento do time para a série B

Sá disse que rebaixamento é sua maior decepção

Sá disse que rebaixamento é sua maior decepção

Divulgação / Cruzeiro Esporte Clube

Um dia após assinar a carta de renúncia ao cargo de presidente do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá declarou à Record TV Minas, nesta sexta-feira (20), que abriu mão do cargo “para o bem” do clube.

Além de Sá, o primeiro vice-presidente, Hermínio Lemos, também já confirmou a saída do posto, nesta quinta-feira (19). Agora, o grupo aguarda a assinatura do termo por parte do segundo vice-presidente, Ronaldo Granata.

Durante a conversa, Sá fez um balanço de sua gestão. Para ele, o início foi excelente, mas as coisas ficaram complicadas no decorrer dos anos. Além disto, o empresário destacou que sua equipe conseguiu aumentar a arrecadação do time, mas o valor não teria sido suficiente para abater toda dívida.

— Passamos a nossa arrecadação de R$ 240 milhões do exercício de 2017 para R$ 340 milhões no exercício de 2018. Ou seja, nós pagamos todas as nossa despesas, mas não conseguimos abater o montante da dívida. Este é o mal do futebol brasileiro, O futebol brasileiro está doente.

Sobre o inédito rebaixamento do clube, Sá afirma que é a "maior tristeza" da sua vida. Para ele, a situação foi provocada, principalmente, por disputas políticas dentro do prório time.

— Se você ver, todos os times que saíram da série A e caíram para a série B tiveram disputas ferrenhas políticas internas. Isto é a receita paraa  queda de um time. Eles não entenderam que atacando seus dirigentes, estavam atacando também a instituição.