O dia infeliz em que Jorge Jesus incorporou o Mister Soberba

Traído pelo efeito colateral da vaidade, JJ atropela elegância ao dizer que o patamar do Flu é Estadual. Troco rival costuma vir em dobro na má fase

jorge jesus, patamar, indelicado, soberba, sormani, estadual, fluminense, flamengo, taca guanabara, estadual, rio de janeiro

Indelicadeza de Jesus poderá gerar reações em dobro quando a má fase chegar

Indelicadeza de Jesus poderá gerar reações em dobro quando a má fase chegar

Reprodução/Twitter

Negar a qualidade e a importância do trabalho do treinador do Flamengo, o português Jorge Jesus, no futebol brasileiro atual é ciúme, miopia, falta de capacidade de processar o que se vê ou tudo isso junto e misturado.

Elogio refeito, cabe também constatar: de tempos para cá, à medida que o sucesso amplificava o coro dos contentes na imprensa, e o dos rubro-negros no embalo do olê, olê, olê, olê, Mister, Mister nas arquibancadas, JJ passou a se entregar, de forma mais intensa a cada declaração, aos efeitos traiçoeiros e deselegantes do primadonismo periférico.

Situações em que a vaidade subiu à cabeça do Mister de forma enviesada, virou subproduto e deixou a razão ao nível de seus pés. Em dialeto de torcedor: marra demais, perna em excesso.

Nas férias, em Portugal, Jesus ensaiou a construção de um método para orientar executivos do Flamengo na tarefa de vender craques a preços semelhantes aos cobrados pelos clubes de ponta de seu país. No falatório com ares de oráculo, ignorou que a força do euro e o fato de estar no mercado europeu são, precisamente, os dois principais motivadores das diferenças de cotação.

No final da noite desta quarta-feira (12), na entrevista coletiva após a vitória apertada sobre o Fluminense, por 3 a 2, que garantiu o rubro-negro na final da Taça Guanabara, primeiro turno do Estadual do Rio, JJ não segurou a onda e quebrou o pote.

Questionado por um repórter sobre a dificuldade de testar reservas e novos contratados com a quantidade limitada de substituições no Estadual, Mister girou o par de olhos e saiu-se com essa: “Estamos a fazer, neste campeonato, nossos primeiros jogos. Se são nossos primeiros jogos, é considerado pré-temporada. Em uma competição que para o nosso adversário era importante chegar à final, poder ganhar um título, de Carioca... Só que a gente está em outro patamar, como diz o outro. Nossos títulos são outros”.

O outro, se algum amante do futebol ainda não sabe, é o atacante rubro-negro Bruno Henrique. A expressão usada pelo jogador no final de 2019 virou meme.

Para quem é chamado de Mister – e gosta -, JJ usou de soberba e deselegância atlânticas com o Flu, seus torcedores e colega de trabalho naquela jornada, o técnico tricolor, Odair Hellmann. Enquanto Jesus esfolava o bom senso com o ar blasé dos incompreendidos, Hellmann, na entrevista ao lado, limitava-se a comentar aspectos do jogo e a lamentar que o “empate merecido pelo Fluminense na segunda etapa” não tenha vindo.

O Flamengo tem mais recursos e, ao menos em relação ao futebol (Garotos do Ninho à parte), gestão mais equilibrada e produtiva que a dos rivais? Perfeito. JJ tem parcela fundamental de responsabilidade pela temporada brilhante do rubro-negro em 2019? Não há dúvida sobre isso.

Por esses fatores, e também pelo imenso poder consumidor de sua torcida, o clube da Gávea está em outro patamar neste momento, não só em relação ao Fluminense mas, provavelmente, em comparação com os demais?

É até razoável responder sim a essa pergunta – só que JJ, a bem do respeito aos colegas profissionais e aos outros clubes, deveria se poupar de estabelecer publicamente a divisão que fez, limitando instituições gigantes como o Fluminense à gaveta do Carioca e definindo a sua como a de “outros títulos”.

Feio. JJ, tão defendido do cooperativismo dos treinadores brasileiros ao chegar para treinar o Flamengo, não poderia ter dito o que disse por bom senso coletivo e nem deveria por inteligência e cuidado individuais. Pode-se esperar tal atitude de torcedores e mesmo de atletas. De treinadores profissionais, não.

Até onde prova a história, derrotas e fases ruins chegam para todos. E se quem bate esquece, quem apanha jamais deixa de lembrar. Diplomacia e contenção, nos momentos em que a embriaguez do ego cria o risco do vexame, certamente fariam bem a JJ nos possíveis planos futuros de ataque dos adversários quando os revezes inevitáveis baterem à porta.

Menos, Mister. Nesta e em futuras situações semelhantes, bem menos.

Patamares não são eternos no futebol, sabemos disso.

E, depois, se há algo a ensinar ou a aprender, o único país pentacampeão do mundo, com o único técnico tetracampeão do mundo (Zagallo), o que mais forneceu craques internacionais e presenteou o mundo com um certo Edson Arantes do Nascimento, com respeitosos pedidos de desculpa, exatamente Portugal.