'Novo Ibra' minimiza comparação e 'cobra' amigo Willian José na seleção

Alexander Isak, atacante sueco de 20 anos, é apontado como o substituto do veterano craque que recentemente assinou contrato com o Milan, da Itália

Isak marcou um gol no empate entre Real Sociedad e Barcelona

Isak marcou um gol no empate entre Real Sociedad e Barcelona

Reprodução/Instagram @alex_isak

Alexander Isak tem apenas 20 anos de idade. Mas já carrega nas costas uma responsabilidade enorme. Isso porque o atacante nascido na Suécia tem um apelido para lá de pesado: "Novo Ibra", em alusão a Zlatan Ibrahimovic, um dos maiores jogadores da história do futebol sueco.

Além de ter 1,90 m de altura, apenas 5 cm a menos do que o agora atacante do Milan, Isak mostrou, desde seus primeiros passos no futebol, um grande faro de gol, se tornando o primeiro jogador dos últimos 50 anos a marcar 11 gols em seus 11 primeiros jogos. Logo em sua estreia como jogador profissional, com apenas 16 anos, ele anotou um dos gols da goleada do AIK para cima do Tenhults IF, pelo Campeonato Sueco. Pouco tempo mais tarde, fez dois na vitória para cima do Djurgården, encerrando um tabu de 17 anos de seu time contra um de seus maiores rivais fora de casa.

E foi exatamente após essa vitória por 3 a 0, em 21 de setembro de 2016, no dia em que completou 17 anos, que Isak foi chamado por Chinedu Obasi, seu então companheiro de ataque, de "novo Ibrahimovic".

Apesar de se sentir honrado em ter seu nome sendo relacionado com um dos grandes atacantes da última geração, o jovem sueco admite que não se sente totalmente à vontade com ela, acreditando que ele deveria ser conhecido por suas próprias qualidades.

"Eu acho essa comparação exagerada. Eu tenho o meu próprio estilo de jogo e quero construiur a minha própria história. Isso não é algo que me incomoda, mas eu não gosto de me comparar com ninguém. Eu jogo para fazer o melhor que consigo e me tornar cada vez melhor", disse ele, durante papo com a reportagem do R7.

Depois do início meteórico no AIK, Isak chegou a ser especulado em times como Real Madrid e Barcelona, mas acabou se transferindo para o Borussia Dortmund, que venceu a concorrência dos outros gigantes ao oferecer 10 milhões de euros por seu futebol.

E apesar de ter aberto os cofres e apostar no talento de Isak, o Dortmund não deu grandes chances para o atleta, que, em um ano e meio, jogou pouco mais de 400 minutos e marcou apenas um gol, contra o desconhecido Magdeburg, na Copa da Alemanha.

As poucas chances fizeram Isak ser emprestado, iniciando a temporada 2018/2019 no Willem II. E na Holanda ele se recuperou, anotando 13 gols em 16 jogos no campeonato nacional, além de ajudar sua equipe a chegar à final da Copa da Holanda, quando foi derrotado pelo poderoso Ajax.

O sucesso na Holanda fez a Real Sociedad apostar no atacante. E os espanhóis decidiram pagar 6,5 milhões de euros para contratá-lo em definitivo do Dortmund. Pouco, para um atacante que já é titular absoluto e marcou seis gols em 19 jogos, sendo um deles contra o Barcelona.

Na equipe, Isak é companheiro de Willian José, atacante brasileiro com passagens por São Paulo, Santos e Grêmio e que já há alguns anos é um dos destaques do time da Andaluzia.

A representatividade de Willian na Real Sociedad é tão grande, que seu companheiro de ataque acredita até mesmo que ele mereça uma chance na seleção brasileira. "Ele é uma grande referência para o nosso time e me ajuda muito. É muito bom atuar do lado dele. Apesar de não saber muito bem como estão os outros atacantes do Brasil, acredito que ele tem total capacidade de atuar na seleção. Torço muito para que ele chegue lá."

E se depender de Isak, a parceria entre eles, que está rendendo frutos, já que o clube é atualmente o 5º colocado do Campeonato Espanhol, vai durar bastante tempo. Com tantas transferências em tão pouco tempo, o atleta deseja agora se fixar em uma equipe e só no futuro pensar em algo maior.

"Não é o momento. Eu cheguei aqui faz poucos meses e acredito que tenho muito a aprender por aqui antes de pensar em dar um passo desses", completou.

Pato e Ganso estão em lista de promessas fracassadas da década