Futebol MP vê culpa de torcida da Ponte Preta por briga com palmeirenses

MP vê culpa de torcida da Ponte Preta por briga com palmeirenses

Promotor Paulo Castilho entende que Palmeiras e Red Bull Brasil não devem ser punidos pelo confronto antes do jogo entre as equipes, em Campinas

Campeonato Paulista 2019

Torcedores se enfrentaram nos arredores do estádio da Ponte Preta

Torcedores se enfrentaram nos arredores do estádio da Ponte Preta

Reprodução

O promotor Paulo Castilho, do Ministério Público de São Paulo (MP-SP), afirmou que Palmeiras e Red Bull Brasil não devem ser responsabilizados pelo confronto de torcedores antes do jogo entre as equipes, pela primeira rodada do Campeonato Paulista, no último domingo.

O promotor afirma que vai pedir a responsabilização da torcida organizada da Ponte Preta, cuja sede fica nos arredores do estádio Moisés Lucarelli, onde ocorreram os conflitos.

"Estou convencido de que a torcida da Ponte Preta não deveria estar lá. Não era dia de jogo da Ponte Preta", argumentou Castilho.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

O Batalhão de Ações Especiais da Polícia Militar utilizou balas de borracha e bombas de efeito moral para dispersar a confusão. De acordo com a PM, um grupo de torcedores do Palmeiras tentou invadir a sede da Torcida Jovem, da Ponte Preta. Pelo menos dois torcedores ficaram feridos e um deles precisou ser encaminhado para o hospital municipal Mário Gatti.

"Vou oficiar o Ministério Público de Campinas para verificar se a sede possui alvará de funcionamento, licença do Corpo de Bombeiros, enfim, possui legalidade para funcionar", disse Castilho.

Ainda de acordo com o promotor, a decisão sobre eventual punições para os envolvidos no confronto será tomada em 1º de fevereiro, com a conclusão das investigações da Polícia Militar de Campinas.

Por determinação do MP-SP, Ponte Preta e Guarani não podem receber torcida visitante em seus jogos contra os clubes grandes paulistas - São Paulo, Corinthians, Santos e Palmeiras. É o mesmo padrão dos clássicos com torcida única em São Paulo. O Red Bull Brasil, que treina em Jarinu e atua em Campinas, não possui essa proibição. O clube costuma atrair público pequeno às arquibancadas e depende principalmente dos rivais para arrecadar bilheteria.

Negócio fechado! Veja as contratações do mercado da bola: