Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Hermoso rebate técnica da Espanha por não convocação: 'Proteger-me do quê? E de quem?'

Nova treinadora da equipe, Montse Tomé justificou a ausência da veterana na lista como uma forma de 'ajudá-la e ouvi-la'

Futebol|

Veterana foi campeã com a Espanha no Mundial
Veterana foi campeã com a Espanha no Mundial Veterana foi campeã com a Espanha no Mundial

A queda de Luis Rubiales da presidência da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) não foi o suficiente para acalmar a crise na seleção espanhola feminina. Mesmo com o pedido de 39 jogadoras (entre elas, 21 campeãs mundiais) para que não fossem convocadas, a técnica Montse Tomé divulgou sua primeira lista de relacionadas, com 15 atletas que estiveram na Copa do Mundo da Austrália e Nova Zelândia. Pivô do caso de Rubiales, Jenni Hermoso não foi chamada e rebateu a justificativa da nova treinadora.

Em suas redes sociais, ela publicou um comunicado em apoio às colegas que foram convocadas, mesmo contra vontade, e ainda respondeu à nova treinadora espanhola, contratada para o lugar de Jorge Vilda, demitido semanas após a conquista inédita do Mundial.

Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

• Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Continua após a publicidade

"Proteger-me do quê? E de quem?", perguntou a atacante do Pachuca em seu texto. Ela teve seu pedido de não convocação atendido, mas o motivo apresentado pela nova técnica da Espanha não a convenceu. Pelo contrário, a irritou. Montse Tomé justificou a ausência de Jenni afirmando que "a única forma de ajudá-la é ouvi-la. Acreditamos que a melhor forma de protegê-la é assim".

"Nós estamos procurando há semanas — até meses — por proteção da RFEF, que nunca aconteceu. As pessoas que hoje pedem nossa confiança são as mesmas que hoje divulgaram a lista de jogadoras que pediram para que NÃO fossem chamadas", disse Jenni Hermoso em um determinado trecho.

Continua após a publicidade

A atacante, que foi beijada à força por Rubiales no momento da premiação, ainda fez sérias acusações contra a entidade espanhola. "As jogadoras estão certas de que isso é outra estratégia de divisão e manipulação para nos intimidar e ameaçar com repercussões legais e sanções econômicas", explicou. "É mais uma prova irrefutável que foi mostrada hoje de que nada mudou."

Jogadoras se apresentam sob protesto e ameaça de punição

As atletas espanholas se apresentaram sob protestos pela ameaça de multa e suspensão caso optassem por não servir à seleção. Vinte das 23 convocadas emitiram um comunicado na última sexta-feira (15) no qual dizem que não estariam dispostas a jogar pela Espanha se mudanças efetivas na RFEF não fossem feitas. Muitas revelaram que ficaram surpresas com a convocação anunciada nesta segunda (18), mesmo com o pedido para que Montse Tomé não o fizesse.

Continua após a publicidade

Leia também

Porém, segundo a legislação desportiva da Espanha, as atletas são obrigadas a servir à seleção em caso de convocação. As únicas exceções são os casos de lesões ou problemas pessoais. Em caso de recusa de uma convocação, há punições. A multa pode chegar a 30 mil euros (aproximadamente R$ 156 mil), além de uma suspensão da federação que pode durar de dois a 15 anos.

Seis jogadoras do Real Madrid já chegaram a um hotel na capital da Espanha para a concentração, antes de seguir para a cidade de Valência. Lá, espera-se que todas as atletas se reúnam para os compromissos pela Liga das Nações da Uefa, contra a Suécia e a Suíça.

Autoridades espanholas se manifestaram sobre as possíveis sanções. Victor Francos, presidente do Conselho Superior do Esporte da Espanha, contou que vai se encontrar com as atletas em Valência para conversar sobre a convocação. "Se as jogadoras não comparecerem, o governo fará o que tem de fazer, que é aplicar a lei", declarou o político. "Infelizmente, a lei é a lei, mas ainda espero que possa haver uma solução. Vou falar com as jogadoras. Vou tentar."

Miquel Iceta, ministro da Cultura e Esportes, disse que não imagina que as atletas sejam punidas e apelou à RFEF para que faça as alterações necessárias. "A RFEF não tem o direito de privar a Espanha da seleção feminina, especialmente depois de ter vencido a Copa do Mundo", declarou.

Além de beijar campeã da Copa, dirigente teria roubado dinheiro para festa; conheça Luis Rubiales

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.