Fla 'desdenha' Vasco no primeiro tempo e quase perde o clássico

No melhor jogo do BR-19, time de São Januário sai de parabéns pela superação e dedicação. Ao Fla, a lição: soberba poderá custar a Libertadores

Pikachu fez bela jogada no pênalti que bateu e fez o segundo gol do Vasco

Pikachu fez bela jogada no pênalti que bateu e fez o segundo gol do Vasco

Diego Maranhão/Estadão Conteúdo - 13.11.2019

Flamengo quatro, Vasco quatro, em jogo antecipado da 34ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Um grande jogo, um senhor jogo, um jogaço de dois gigantes do futebol brasileiro.

O melhor jogo do campeonato até agora.

Um clássico que faz jus à grandeza e a rivalidade de décadas entre os dois times em jogos no Maracanã.

E Vanderlei Luxemburgo está certíssimo: "não é proibido ganhar do Flamengo", disse na coletiva após a partida. Preciso. Perfeito.

O Flamengo fez seu primeiro gol aos 38 segundos de jogo, de Everton Ribeiro. Na prática, antes de partida começar.

Em vez de aproveitar o golpe para se organizar, o Flamengo passou a se comportar como quem imagina poder decidir a partida a qualquer momento.

Do lado do Vasco, ao contrário, reinavam seriedade, aplicação e jogadas pelo lado esquerdo de seu ataque, aproveitando as subidas de Rafinha sempre mal coberto pelo lado direito da defesa rubro-negra.

Não deu outra: o Vasco aproveitou a falta de seriedade rubro-negra e virou o jogo em três minutos. Marrony empatou aos 33, depois de belo ataque coletivo, e Yago Pikachu fez o segundo, em um pênalti sofrido por ele mesmo após bela jogada individual.

O Flamengo fez 2 a 2 numa jogada ensaiada de falta que desviou em Danilo Barcelos.

Mas o resultado do primeiro tempo foi injusto para o Vasco, que merecia ter ido para o vestiário com a vantagem. Levou o jogo a sério o tempo todo e jogou mais futebol.

O Flamengo iniciou a segunda etapa na ofensiva.

Parecia que voltaria a ser o Flamengo de 2019, o da imposição de jogo, mas, aos seis minutos,  Pikachu deu um belíssimo passe para Rossi na linha de fundo. Rossi cruzou rasteiro, a defesa rubro-negra falhou e Marcos Júnior, sozinho, fez 3 a 2 para o Vasco.

Depois do terceiro gol do Vasco, o Flamengo voltou a buscar o empate com intensidade e o Vasco cadenciar a partida e sair nos contra-ataques.

Mas foi o Flamengo que aproveitou a arma do contra-ataque aos 20 minutos para novamente empatar a partida, com um bonito gol de Bruno Henrique. Três a três.

Daí para frente, o Flamengo voltou a ser o Flamengo de 2019 por alguns minutos. Atacou, pressionou e se portou como um time sério em busca da vitória.

Aos 34 minutos da segunda etapa, em grande jogada de Vitinho, que entrara no lugar de Gerson, Gabigol desviou e Bruno Henrique encheu o pé de primeira, fazendo 4 a 3 para o Flamengo.

A partir daí, por irônico que possa parecer, o Flamengo, líder isolado, tinha mais a defender na partida do que o Vasco, que deverá estar na Sul-Americana e, além disso, não mais muito o que perder ou ganhar no campeonato.

O Flamengo colocou Piris da Mota para se defender e tentar confirmar o resultado.

Em vão.

O Vasco teve duas chances com Ribamar. A primeira foi defendida por Diego Alves. Mas na segunda não teve jeito: aos 47 minutos do segundo tempo, o jovem promissor ganhou uma disputa de bola na área do Flamengo e novamente colocou o placar em igualdade. Quatro a quatro. 

Um belíssimo jogo.

Um jogaço, dos que já se viu em grande frequência no futebol brasileiro e hoje são cada vez mais raros.

O melhor e mais emocionante jogo do campeonato até agora.

Ao Vasco, os parabéns pela atuação coesa, destemida, de um time grande que sabe que tem história e força para disputar qualquer clássico de igual para igual, empatando, vencendo e perdendo, como fez em toda a sua história.

Ao Flamengo, apesar de ter mostrado sua força na medida em que consegue fazer quatro gols num rival em um clássico numa noite ruim, fica a lição: a soberba de quem se considera capaz de decidir jogos a qualquer momento, se assumida contra o River, no próximo dia 23, poderá custar a Libertadores.

Com três brasileiros, veja times já garantidos na Libertadores de 2020