Fifa diz ter 9 ofertas pelo 'novo' Mundial e quer rivalizar com Liga dos Campeões

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, afirmou nesta sexta-feira que a entidade avalia nove ofertas de empresas que buscam adquirir os direitos comerciais e de transmissão do reformulado Mundial de Clubes, que, ele espera, se tornará o mais lucrativo torneio de equipes, ultrapassando a Liga dos Campeões da Europa.

Expirou na última quinta-feira o prazo para os interessados enviarem suas ofertas para o "novo" Mundial, cuja primeira edição está prevista para junho de 2021 com uma fase de grupos envolvendo 24 times.

"O Mundial de Clubes se tornará o melhor torneio por equipes do mundo, tudo o que a Fifa faz tem que ser o melhor", disse Infantino nesta sexta-feira. "Não devemos nos preocupar ou ter vergonha do sucesso comercial. Quero que o Mundial de Clubes seja o melhor em termos de qualidade no campo, mas também em termos de renda".

As ambições da Fifa de se envolver nas competições de clubes, para além de sua jurisdição usual para a organização de torneios de equipes nacionais, representam um desafio direto para a Liga dos Campeões realizada pela Uefa, onde Infantino atuou como secretário-geral antes de ser eleito para liderar o órgão mundial do futebol em 2016.

"A Liga dos Campeões está gerando dinheiro de todo o mundo, e para onde vai esse dinheiro? Para a Europa", disse Infantino. "Obviamente, é a missão da Uefa. A missão da Fifa é o mundo. Se pudermos pagar e gerar mais renda para os clubes, os grandes clubes, os 10 ou 12 europeus ou 15, ou quantos sejam, haverá 20 no futuro, mas também 30 em todo o mundo, então teremos feito algo de bom."

A penúltima edição da versão anual de sete equipes do Mundial de Clubes está sendo disputada no Catar. Neste sábado, o Liverpool, o vencedor da Liga dos Campeões, enfrentará o Flamengo, que faturou a Copa Libertadores, na decisão em Doha.