Futebol Ex-presidente da Mancha Verde minimiza confronto com cruzeirenses: 'Faz parte da guerra'

Ex-presidente da Mancha Verde minimiza confronto com cruzeirenses: 'Faz parte da guerra'

Em vídeo vazado de grupos palmeirenses, Paulo Serdan relativiza o violento embate entre torcedores de Palmeiras e Cruzeiro; veja

  • Futebol | Do R7

Paulo Serdan, ex-presidente da Mancha Verde, a principal torcida organizada do Palmeiras, teve um vídeo vazado de grupos palmeirenses em que minimiza o brutal confronto entre torcedores da Mancha e da Máfia Azul, a organizada do Cruzeiro. Para Serdan, os acontecimentos desta quarta-feira (28) fazem "parte da guerra". 

"Faz parte da guerra, certo? Faz parte da guerra. Faz parte da guerra bater, faz parte da guerra apanhar também. Faz parte da guerra ganhar e faz parte da guerra perder também. Uma hora você perde, certo? Eu já corri, Moacir correu, Cléo correu, nós já batemos, nós já apanhamos, a Mancha já bateu e a Mancha vai apanhar", afirma Serdan logo no início do vídeo.

Paulo Serdan foi presidente da Mancha Verde de 1993 a 1998

Paulo Serdan foi presidente da Mancha Verde de 1993 a 1998

Reprodução/Twitter

Serdan ainda relativizou a atitude dos torcedores cruzeirenses, que, segundo ele, "foram dignos" e "corretos com quem caiu no chão". "Faz parte, irmão. Faz parte, certo? É poucas 'ideia'. Graças a Deus não tem informação de ninguém mais sério, rapaziada tá passando no hospital. Nas imagens, os caras [Máfia Azul] também foram dignos, foram corretos com quem caiu no chão. Nas imagens, não espancaram para poder matar", diz. 

A fala de Paulo Serdan se deu em um grupo de torcedores do Palmeiras. No fim do vídeo, o ex-presidente da Mancha Verde até chega a pedir para que o vídeo não "saia do grupo". "Que esse vídeo não saia do grupo daqui, mas mano, sem paranoia." 

Paulo Serdan é ex-presidente da torcida organizada (1993 a 1998), mas comanda atualmente a parte relativa à escola de samba da Mancha Verde. Além disso, ele é presidente de honra da organizada. 

Confronto violento 

As torcidas dos dois times se envolveram nesta manhã em uma briga que terminou com ao menos quatro feridos e a BR-381 interditada nos dois sentidos, na altura de Carmópolis de Minas, a 125 km de Belo Horizonte, no centro-oeste de Minas. Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal, as vítimas foram baleadas.

De acordo com a Arteris, a concessionária que administra a estrada, conhecida como rodovia Fernão Dias, os feridos foram socorridos e levados ao PAM (Pronto Atendimento Municipal) da cidade de Oliveira, a 38 km de Carmópolis de Minas. O estado de saúde dos pacientes não foi confirmado.

Resposta

Em nota, a Máfia Azul alegou que os torcedores agiram em "legítima defesa para defender a integridade de todos que estão presentes". "No decorrer da viagem somos surpreendidos por torcedores do Palmeiras na estrada em uma emboscada, onde portavam até arma de fogo, que acabou ferindo ocupantes da nossa caravana", disse a organizada no comunicado.

No texto, ainda é questionada a presença dos palmeirenses na rodovia no momento da briga.
"A pergunta que fica é, como uma caravana que saiu à 0h de São Paulo demora 12h para chegar em Belo Horizonte?", conclui a nota.

De uniforme azul, Brasil goleia Tunísia em último amistoso antes da convocação para Copa

Últimas