Eventos esportivos são cancelados no Chile após onda de protestos no país

Os protestos no Chile estão provocando diversos cancelamentos de eventos esportivos no país. O mais recente foi o QS 1500 Maui and Sons Pichilemu Women's Pro by Royal Guard, etapa da divisão de acesso do Circuito Mundial de Surfe, que seria disputada de 31 de outubro a 2 de novembro. O evento foi adiado para 13 a 15 de dezembro, em Punta de Lobos, em Pichilemu, no sul do Chile.

O escritório regional para a América Latina da WSL (Liga Mundial de Surfe) se reuniu com os organizadores da etapa, que indicaram que a onda de protestos populares no país seria uma dificuldade a mais para os atletas, que precisam desembarcar em Santiago, principal centro das manifestações. Aí, para chegar a Pichilemu, são 200 km de estrada.

"Tendo em vista que as manifestações e os protestos seguem em Santiago, capital do Chile, como também em algumas cidades vizinhas, a WSL Latin America com o apoio dos respectivos Comissários da WSL Internacional, observando uma solicitação dos organizadores do evento, achou por bem transferir a sua data de realização para os dias 13 a 15 de dezembro próximo", disse em nota Roberto Perdigão, Tour Manager da WSL na América Latina.

"Pedimos desculpas a todas as atletas envolvidas por todo e qualquer transtorno que esta decisão possa vir a causar, mas que esteja bem claro que a decisão foi tomada com o único intuito de preservar a segurança e a integridade das participantes e os interesses dos organizadores e da WSL Latin America", continuou o comunicado.

Além do surfe, o futsal também teve um evento cancelado. A Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) optou por suspender a Copa América de Futsal, que seria disputada na cidade de Los Ángeles, a 513 km de Santiago, de 23 a 30 de outubro. "A decisão foi tomada depois de avaliarmos a situação junto com o governo, federação de futebol e autoridades locais", disse a Conmebol, que não definiu sobre quando e onde será realizado.

Por causa de todos esses protestos no Chile (nesta sexta-feira, mais de um milhão de pessoas foram às ruas de Santiago), existe uma apreensão sobre a realização da final da Copa Libertadores, entre Flamengo e River Plate, dia 23 de novembro, na capital chilena. Mas a Conmebol já avisou que não pretende fazer qualquer mudança.