'Entendi que era agressão', diz ex-advogado de acusadora de Neymar

José Edgard da Cunha Bueno Filho afirmou que viu parte do vídeo apresentado como prova pela suposta vítima do atacante para a polícia

Neymar na chegada da seleção à Brasília

Neymar na chegada da seleção à Brasília

Lucas Figueredo/Divulgação CBF - 4.6.2019

O advogado que cuidava da denúncia contra Neymar, José Edgard da Cunha Bueno Filho, afirmou nesta terça-feira ao Estado que a possível vítima de estupro chegou a gravar um vídeo do segundo encontro entre ela e o jogador. Após renunciar ao trabalho por divergências com a cliente, ele avalia que, pelas informações, o episódio se tratou de uma agressão, e não de um estupro, como trouxe a denúncia relatada em Boletim de Ocorrência.

A mulher que denunciou Neymar por estupro gravou mesmo um vídeo do segundo encontro entre os dois? O senhor teve acesso ao vídeo?

Eu tive acesso, não vi ele inteiro porque a gente estava no início da avaliação. Mas eu, por não estar mais no caso, não posso comentar nada a respeito dele. Seria uma falta de ética minha.

Por que o senhor não está mais com o caso?

Quando o caso foi apresentado para mim, eu, analisando as provas e tudo mais, e conversando com a cliente, entendi que o caso, por uma questão técnica, que é uma prerrogativa minha como advogado, era de agressão. Posteriormente, depois que eu renunciei ao caso, ela contratou uma outra advogada e seguiu com essa tipificação de estupro.

Como teria sido a agressão?

Pelo que eu tinha analisado, teria havido um consentimento de ocorrer uma relação normal entre homem e mulher, sem problema algum. Durante o ato teriam ocorrido agressões, que devem ser investigadas. Essa é a diferença. Desde o início a minha estratégia foi evitar exposição pública. Toda a minha condução do caso foi para isso.

Por que houve a sua renúncia?

Eu não queria apressar as coisas e fazer de uma forma midiática, é a minha forma de atuar. Ela estava desconfortável, aflita, abalada psicologicamente. Nós tivemos uma discussão sobre a estratégia do caso, e ela fez umas considerações indevidas a meu respeito. Senti no momento que tinha quebrado a relação de confiança entre advogado e cliente. O processo de divergência começou, pois ela queria fazer um boletim de ocorrência e fui contra isso.

O senhor acredita que a vítima pode ter mudado de versão quando procurou a outra advogada?

É uma questão técnica do advogado. Cada advogado tem uma opinião diante dos fatos. A própria delegada também pode ter. Mas tudo isso pode mudar depois. Mas na minha avaliação era um caso para ser de agressão.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook. 

Neymar não é o único! Relembre as acusações de estupro contra atletas