Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Entenda por que a violência entre torcidas do Fluminense e Boca Juniors pode piorar

Líder da 'La 12', que chega ao Rio de Janeiro nesta sexta-feira, fez ameaças à torcida do Flu: 'Se querem guerra, guerra vamos lhes dar'

Futebol|Do R7


Rafael Di Zeo (esquerda) foi preso por posse de arma de fogo
Rafael Di Zeo (esquerda) foi preso por posse de arma de fogo

A véspera da final da Libertadores, entre Fluminense e Boca Junior, tem sido marcada pela violência entre torcedores dos dois times.

No entanto, é esperado que os episódios de agressão piorem ainda mais com a chegada ao Rio de Janeiro, na tarde desta sexta-feira, da "La 12", a barra brava — como uma torcida organizada é chamada na Argentina — mais famosa e temida do mundo.

Os principais líderes da torcida organizada, Rafael Di Zeo, Mauro Martín e Marcelo Aravena, publicaram nas redes sociais fotos a caminho do Brasil e fizeram ameaças aos torcedores do Fluminense: "Se querem guerra, guerra vamos lhes dar".

Clique aqui e receba as notícias do R7 Esportes no seu WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Publicidade

Em um áudio enviado àa imprensa argentina, Aravena afirmou que haverá brigas entre as torcidas organizadas e que ele e os outros dois líderes estão prontos para o confronto para defender a torcida do Boca Juniors.

"Quando chegarmos, que venham, eles são obrigados a brigar com a torcida organizada do Boca, torcida organizada com torcida organizada, que não briguem com o povo, que briguem com a torcida organizada do Boca", disse.

A "La 12" foi formada nos anos 1960 e é conhecida por cantar durante todo o jogo do time. No entanto, a torcida é famosa por protagonizar inúmeros casos de violência e de desordem. Em 1994, a Justiça da Argentina pediu que um "braço" da organização fosse fechado por lavagem de dinheiro.

Mais que "apenas" uma uniformizada, a "La 12" encontra fonte de renda em diversos movimentos financeiros do estádio, como revenda de ingressos, venda de bebidas e alimentos e extorsão de jogadores e empresários. No início dos anos 2000, a barra brava se envolveu até no tráfico de drogas.

O líder Rafael Di Zeo, responsável por transformar a torcida em uma espécie de máfia, teve como mentor José Barrita e foi preso em 2007 por posse de arma de fogo. Liberado em 2011, ele continou a se envolver em crimes, e o último julgamento por que passou foi em fevereiro de 2023. Eram investigadas ações criminosas do grupo em 2013, mas não houve provas para condenar Di Zeo, e ele voltou a frequentar os estádios.

Vivendo auge na carreira, Diniz pode conquistar primeiro grande título

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.