Copa do Mundo O duelo das improváveis: Croácia e Marrocos superam expectativas e disputam o 3º lugar da Copa

O duelo das improváveis: Croácia e Marrocos superam expectativas e disputam o 3º lugar da Copa

As duas seleções não têm tantos nomes de 'peso' no futebol e, apesar da pouca tradição na competição, avançaram nas fases

  • Copa do Mundo | Do R7

Croácia e Marrocos se enfrentaram na fase de grupos, e a partida terminou em 0 a 0

Croácia e Marrocos se enfrentaram na fase de grupos, e a partida terminou em 0 a 0

REUTERS/Hannah Mckay

A Copa do Mundo do Catar foi palco de zebras. Antes do início da competição, a seleção do Marrocos pouco era falada, apesar de ter Hakimi, do PSG, e Ziyech, do Chelsea, no elenco. A Croácia, um pouco mais temida devido ao vice-campeonato em 2018, era apenas a 11ª favorita nas casas de apostas. Contra todas as estatísticas, as duas seleções disputam o terceiro lugar neste sábado (17), às 12h (de Brasília).

A seleção marroquina participou das edições do Mundial de 1970, 1986, 1994, 1998 e 2018 até chegar à melhor campanha da história da equipe, em 2022. Até o Catar, a melhor classificação do time, que possui pouca tradição no torneio, foi em 11º, em 1986. Com um técnico contratado há apenas três meses, as expectativas para o Marrocos na Copa eram baixas.

Walid Regragui entrou no comando da seleção e realizou grandes mudanças. O marroquino de origem francesa resgatou grandes nomes como Ziyech e Mazraoui, que foram cortados pelo ex-treinador por indisciplina, e alterou o sistema tático ofensivo para 4-3-3 e 4-1-4-1 para o defensivo. Nos amistosos antes do Mundial, o projeto de Regragui mostrava sucesso. Em três jogos, venceu em dois e empatou em um.

Apesar dos famosos Hakimi, Ziyech e Mazraoui, nomes menos conhecidos como Ounahi, Bono e Amrabat começaram a ganhar destaque. O que levou a seleção do Marrocos ao sucesso de ser a primeira da África a alcançar a semifinal foi o trabalho em equipe. 

"O crédito tem de ir para os jogadores. Só tentei criar um espírito. A Copa do Mundo é diferente de tudo. Preparei a mentalidade do time. O foco é ser organizado e ter autoconfiança. Os jogadores acreditam no projeto, encontrei um grupo que acredita no país e em mim", disse o treinador do Marrocos antes da semifinal contra a França.

Na estreia do Mundial, os marroquinos buscaram o melhor resultado contra a Croácia, que saiu como vice-campeã na Rússia 2018. Em um jogo difícil, conquistaram o empate. Nos outros dois jogos da fase de grupos, venceram a Bélgica e o Canadá e se classficaram em primeiro lugar no Grupo F. Nas oitavas, derrubaram a favorita Espanha e, nas quartas, foi a vez de Portugal voltar para casa. Apesar da derrota contra a França, têm a chance de disputar o terceiro lugar.

Os croatas, por sua vez, também não eram favoritos pela disputa do "pódio" da Copa do Mundo. Em 2018, conseguiram chegar à final vencendo em apenas uma das três fases de mata-mata no tempo regulamentar. No Catar, avançaram na competição com ainda menos vitórias. Na fase de grupos, empataram duas vezes e, na fase de mata-mata, foram para os pênaltis em dois dos três jogos.

Apesar de contar com nomes de peso como Modrić e de Perišić, o técnico Zlatko Dalić deu espaço a jogadores que estão começando no futebol, como é o caso de Joško Gvardiol. Assim como a seleção do Marrocos, a seleção europeia tem poucos jogadores que atuam nos maiores clubes da Europa.

O técnico da Croácia está no comando da seleção desde outubro de 2017. Antes, foi treinador de clubes com pouca expressão no futebol, como Varteks, Rijeka, Dinamo Tirana, Slaven Belupo, Al Faisaly, Al Hilal e Al Ain.

Croácia e Marrocos se enfrentam neste sábado (17), às 12h (de Brasília), no estádio Internacional Khalifa pela disputa do terceiro lugar da Copa do Mundo. A grande final entre Argentina e França acontece no domingo (18), às 12h (de Brasília), no estádio Lusail. 

Na Copa do Mundo das zebras, grandes seleções, como o Brasil, vão ficando pelo caminho

Últimas