Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esportes
Publicidade

Jogadores da Austrália se manifestam contra condições de trabalhadores da Copa do Mundo

Em vídeo publicado nas redes sociais da seleção, os atletas mencionam a falta de direitos humanos no país sede

Copa do Mundo|Do R7


Alguns dos jogadores da seleção australiana haviam se pronunciado individualmente, mas esta é a primeira ação coletiva
Alguns dos jogadores da seleção australiana haviam se pronunciado individualmente, mas esta é a primeira ação coletiva

A poucos dias do início da Copa do Mundo do Catar, 16 jogadores da seleção australiana publicaram um vídeo de protesto contra a falta de direitos humanos no país que sediará o Mundial. Os atletas reconhecem os progressos trabalhistas, mas reforçam que é preciso um maior auxílio aos trabalhadores.

Em pouco mais de três minutos, os australianos — entre eles o capitão do time, o goleiro Mat Ryan — explicam que por meio do futebol eles tiveram a oportunidade de conhecer o mundo e as populações e que têm acompanhado a situação do Catar há anos.

Eles comentam que existem valores universais que deveriam definir a modalidade, como respeito, dignidade, confiança e coragem, e que a ausência desses valores em relação aos trabalhadores do Catar é o motivo do protesto.

Nos últimos dois anos, os atletas membros da PFA, a associação de sindicatos dos jogadores profissionais australianos, entraram em contato com grupos como a Anistia Internacional, a Fifa, o Comitê Supremo, a Organização Internacional do Trabalho e a FIFPro, além de migrantes trabalhadores do país sede.

Publicidade

"Esses trabalhadores migrantes que sofreram não são apenas números. Como os migrantes que moldaram nosso país e nosso futebol, eles possuem a mesma coragem e determinação para construir uma vida melhor", dizem.

Leia também

O protesto reconhece a retirada do sistema kafala, que permitia que os empregadores retirassem os passaportes dos empregados para que estes não deixassem o país, mas pedem um "amparo" maior, como um fundo de recursos que auxiliem esses trabalhadores.

Publicidade

"Esses são os direitos básicos que devem ser concedidos a todos e que garantirão o progresso contínuo no Catar. É assim que podemos garantir um legado que vai muito além do apito final da Copa do Mundo de 2022", explicam.

Entre os nomes envolvidos no vídeo estão: Adam Taggart, Andrew Redmayne, Bailey Wright, Cameron Devlin, Craig Goodwin, Danny Vukovic, Denis Genreau, Irvine, Jamie Maclaren, Kye Rowles, Mathew Leckie, Mitch Langerak, Mitchell Duke, Nick D'Agostino, Ryan e Alex Wilkinson, presidente da PFA.

Publicidade

Esta não é a primeira seleção a protestar contra a falta de direitos humanos no Catar. A seleção da Dinamarca usará uniformes em homenagem aos trabalhadores mortos, a equipe da Alemanha já posou com camisetas com o escrito "Direitos Humanos", e capitães de seleções como Inglaterra e França utilizarão braçadeiras com a bandeira LGBT.

A Austrália faz parte do Grupo D, e sua primeira partida será contra a França, em 22 de novembro, às 16 horas (horário de Brasília).

CR7 lidera lista de jogadores da Copa do Mundo com mais seguidores nas redes sociais

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.