Copa do Mundo Atual campeã, França busca bater ainda mais marcas do Brasil no Catar 2022

Atual campeã, França busca bater ainda mais marcas do Brasil no Catar 2022

Bleus são os primeiros detentores do título a se classificar para semi desde 1998 e já estão de olho em recorde que dura 60 anos

  • Copa do Mundo | Do R7

A França desembarcou no Catar 2022 como um dos grandes favoritos ao título. Atuais campeões do mundo, a dúvida estaria no comportamento de uma equipe esfacelada por lesões ao longo da preparação para a Copa. Classificados às semifinais depois da vitória do último sábado (10), no estádio Al Bayt, os Bleus bateram uma antiga marca do Brasil e sonham com ainda mais.

Pela primeira vez desde 1998, quando os próprios franceses sediaram a Copa do Mundo, o campeão da edição anterior alcança as semifinais. Naquela oportunidade, o Brasil, que vinha do tetracampeonato em 1994, venceu a Holanda para garantir a vaga na decisão. No Stade de France, a Canarinho acabou perdendo por 3 a 0 em um show à parte do astro Zinedine Zidane.

A França agora, com a vitória sobre a Inglaterra, repete a estatística. O time abriu o placar com Aurélien Tchouaméni, viu Harry Kane empatar a partida de pênalti e Olivier Giroud pôr a equipe na próxima fase — em outra cobrança de penalidade, Kane ainda desperdiçou a chance de levar a partida para a prorrogação.

Na já internacional regra de "24 horas para festejar e descansar", o técnico Didier Deschamps entendeu o questionamento estatístico, mas preferiu focar a preparação para o próximo jogo.

“Entendo os números e as análises de vocês [jornalistas], mas estamos nas semifinais ainda. Estamos perto da final. Foi um ótimo ponto a que chegamos, mas temos um importante jogo na quarta-feira e é isso que temos que focar”, disse o treinador, campeão como jogador em 1998 e como técnico em 2018.

Bicampeão depois de 60 anos?

Para um time que se provou tão avassalador, mesmo com as seis baixas próximo ou durante a Copa do Mundo — Mike Maignan (goleiro), Presnel Kimpembe (zagueiro), N’Golo Kanté, Paul Pogba (meio-campistas), Christopher Nkunku e Karim Benzema (atacantes) não puderam jogar — a França é apontada como provável favorita ao título.

Caso levante a taça pela segunda vez seguida, fará como a seleção brasileira, campeã em 1958 e 1962. Se isso acontecer, a história se repetirá pela primeira vez em 60 anos e a atual equipe entrará para uma lista que só tem mais a Itália em 1934 e 1938.

Autor do gol que deu a classificação à equipe, o atacante Olivier Giroud celebrou o fato de poder proporcionar alegria aos torcedores de seu país e aos ex-jogadores que fizeram uma visita ao vestiário da equipe em Al Bayt.

“Esse grupo merece muito chegar lá”, começou o camisa 9. “Foi bonito ver a festa no vestiário, o Makelele e o Thurram nos visitaram, o que é fantástico, porque são jogadores de outras gerações que estão sorrindo e festejando com a gente. Para mim, traz muito boas lembranças. Claro que temos que festejar e logo já voltar aos trabalhos.”

A França enfrentará o Marrocos na quarta-feira (14), às 16 horas (de Brasília), no estádio Al Bayt. Um dia antes, a Argentina terá jogado contra a Croácia, no mesmo horário, no Lusail, na outra chave da semifinal. A grande final da Copa 2022 acontece só no domingo, às 12 horas.

Craques também choram: melhores do mundo não conseguem segurar lágrimas

Últimas