Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Como a Arábia Saudita usa dinheiro do petróleo no mercado da bola

Protagonista da janela de transferências, o reino árabe tenta limpar imagem com o futebol e quer sediar Copa do Mundo

Futebol|Do R7


Atual vencedor da Bola de Ouro, Benzema se rendeu aos milhões do futebol saudita
Atual vencedor da Bola de Ouro, Benzema se rendeu aos milhões do futebol saudita

A Arábia Saudita é a protagonista da atual janela de transferências no mercado do futebol. Depois de Cristiano Ronaldo e Karim Benzema desembarcarem no país, o reino árabe se prepara para receber uma série de jogadores da Europa, em uma tentativa de fortalecer o Campeonato Saudita e receber a Copa do Mundo de 2030. O poderio financeiro da Arábia Saudita, capaz de brigar com tradicionais clubes do Velho Continente, é proveniente da atividade petrolífera.

O futebol, por sua vez, surge como ferramenta de "sportwashing" para melhorar a imagem do país. Mas, afinal, por que a Arábia Saudita tem tanto petróleo? Descoberto no país no início do século 20, a partir de 1938 já havia exploração comercial de petróleo para os Estados Unidos. O país é o único no mundo a possuir poços gigantes e, ao lado de Irã, Iraque e Emirados Árabes Unidos, é o maior produtor petrolífero do planeta.

"As próprias características geológicas da região permitem o surgimento desse petróleo de alta qualidade em uma profundidade menor, bom para o refino de óleo diesel e gasolina, o que torna o custo muito mais baixo, tornando o país muito competitivo no mercado energético. O Brasil tem petróleo, mas em camadas profundas no oceano", explica Danny Zahreddine, professor de Relações Internacionais da PUC-MG e especialista em Oriente Médio.

Tendo o petróleo como principal commodity, o Fundo de Investimento Público (PIF) da Arábia Saudita, administrado pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, adquiriu 80% das ações do inglês Newcastle por 300 milhões de libras (cerca de R$ 2,2 bilhões) e, mais recentemente, comprou os quatro principais clubes do país: Al-Nassr, Al-Ittihad, Al-Hilal e Al-Ahly. "A transferência destes quatro clubes vai permitir o surgimento de várias oportunidades comerciais, entre as quais investimentos, parcerias e patrocínios em muitos desportos", disse o anúncio do acordo.

Publicidade

De acordo com o jornal português Público, Cristiano Ronaldo deve embolsar 70 milhões de euros (cerca de R$ 395 milhões) por temporada no Al-Nassr, com quem assinou até 2025. Benzema, que anunciou a sua saída do Real Madrid nas últimas semanas para fechar com o Al-Ittihad, atual campeão local, receberá cerca de 100 milhões de euros (em torno de R$ 540 milhões) por ano.

· Compartilhe esta notícia no Whatsapp

Publicidade

· Compartilhe esta notícia no Telegram

Além de Cristiano Ronaldo, o Al-Nassr está próximo de anunciar o atacante Hakim Ziyech, destaque do Marrocos na Copa do Catar, e investe alto para tirar o croata Marcelo Brozovic da Inter de Milão e o técnico Luís Castro, do Botafogo. O Al-Ittihad, atual campeão saudita, contratou Benzema e o volante N'Golo Kanté. Al-Ahly e Al-Hilal estão perto de um acordo com o goleiro Edouard Mendy e o zagueiro Kadilou Koulibaly, ambos do Chelsea.

Publicidade

O êxito do Catar na realização de uma Copa do Mundo é inspiração para a Arábia Saudita, que usa do esporte para limpar a imagem do país - prática conhecida como sportwashing. O país saudita se enxerga como guardião do Islã e tem um política autoritária e fundamentalista. O reino árabe é historicamente criticado pela violação aos direitos humanos, pelo tratamento dado às mulheres e pessoas LGBT+, além de outras ações autoritárias. Em 2018, o assassinato do colunista do jornal americano Washington Post, Jamal Khashoggi, manchou a imagem do reino saudita junto à comunidade internacional.

Arlene Clemesha, pesquisadora da USP sobre a cultura árabe, explica que Arábia Saudita é um país mais fechado do que o Catar, onde até mesmo a informação é difícil de se obter. "Há um controle grande sobre o que é permitido, o que se diga, com censura à imprensa, vigilância nas redes sociais e que não permite dissidência política e religiosa. É um dos (países) mais difíceis de se analisar politicamente", explica.

Segundo a especialista, os países do Golfo, de uma forma geral, se preparam para um mundo pós-transição energética e uma Copa do Mundo poder ser uma ótima maneira de melhorar a imagem do país, atraindo parcerias, investimentos e viagens turísticas. Recentemente, foi divulgado que Lionel Messi tem um contrato de R$ 117 milhões para ser embaixador do turismo no país.

"Quando Mohammed bin Salman assume o trono, ele tenta trabalhar em um programa chamado 'Global Vision 2030'. Trata-se de uma série de projetos arquitetônicos e tecnológicos para tentar mudar essa imagem e um desses pontos, dentro de uma ideia de 'soft power', é o futebol", diz Zahreddine. "Hoje a Arábia Saudita investe em outros setores por causa da possibilidade de o petróleo perder força como matriz energética preponderante. Isso faz com que o país busque outras formas de inserção internacional e produção de riqueza."

Crise no casamento? CR7 e Georgina afastam boatos e curtem férias em iate de R$ 55 milhões

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.