Futebol Chelsea sofre metamorfose e se reinventa até a Liga dos Campeões

Chelsea sofre metamorfose e se reinventa até a Liga dos Campeões

Há cinco meses, equipe inglesa estava atrás de treinador e de jogadores; agora, comemora o troféu do principal torneio de clubes

  • Futebol | Juan Medina, da EFE

Resumindo a Notícia

  • Chelsea joga em bloco e em coletividade, mas meio-campista francês N´Golo Kanté se destaca
  • Alemães Werner e Havertz passaram por instabilidade, mas se firmaram no ataque dos Blues
  • Clube do russo Roman Abramovich foi o que mais gastou na temporada com reforços
  • Com investimento de 250 milhões de euros em jogadores, Thomas Tuchel coordenou retomada
Chelsea se reinventou em 5 meses para faturar principal competição de clubes

Chelsea se reinventou em 5 meses para faturar principal competição de clubes

Pierre-Philippe Marcou/EF - 29.05.2021

“Não sei se estou pronto para falar sobre jogadores específicos. Porque todos mostraram uma grande atitude ”, explicava o treinador do Chelsea, o alemão Thomas Tuchel, o homem que criou um bloco consistente e solidário na equipe inglesa. Por isso, prefere não falar de individualidades e sim de um time que veio formando desde janeiro passado, quando assumiu os "Blues" após a demissão de Frank Lampard.

Tuchel, que perdeu a final da Liga dos Campeões contra o Bayern de Munique na temporada anterior com o Paris Sant Germain, sai fortalecido após a vitória sobre o Manchester City no Porto, um treinador de método, consolidando uma defesa sólida (19 gols sofridos em 30 jogos), um compacto meio-campo e uma linha rápida e vertical de atacantes.

Tuchel comemora título com a família

Tuchel comemora título com a família

Michael Steele/EFE - 29.05.2021

Um triunfo que representa um peso econômico, pois não se pode esquecer que a equipe de propriedade do magnata russo Roman Abramovich foi a que mais gastou em contratações no início da temporada.

Abramovich manda nos "Blues" desde 2003, período em que o Chelsea ganhou 17 troféus importantes (incluindo cinco Premier Leagues, cinco Taças da Inglaterra, duas Liga Europa e duas Liga dos Campeões), mais do que qualquer outro clube inglês.

Na temporada 2020/2021, mais uma vez, abriu os cofres e gastou cerca de 250 milhões de euros (cerca de R$ 1,5 bilhão) em uma bateria de estrelas como os alemães Timo Werner e Kai Havertz, o marroquino Hakim Ziyech, o inglês Ben Chilwell, o senegalês Edouard Mendy e o brasileiro Thiago Silva (este a custo zero).

Dono do clube desembolsou quase R$ 2 bilhões por reforços nesta temporada

Dono do clube desembolsou quase R$ 2 bilhões por reforços nesta temporada

David Ramos/EFE - 29.05.2021

Uma equipe de individualidades brilhantes

Brasileiro Thiago Silva trouxe solidez e experiência para a zaga dos Blues

Brasileiro Thiago Silva trouxe solidez e experiência para a zaga dos Blues

Carl Recine/EFE - 29.05.2021

Embora Tuchel não queira falar em "jogadores específicos", as chaves para o Chelsea conquistar a sua segunda Liga dos Campeões (a primeira foi em 2012), têm nomes de grande importância e notoriedade no futebol europeu.

A jovem estrela do Chelsea Mason Mount, que também é da seleção inglesa

A jovem estrela do Chelsea Mason Mount, que também é da seleção inglesa

Carl Recine/EFE- 29.05.2021

A meta começou nas mãos do espanhol Kepa Arrizabalaga, mas a sua irregularidade criou uma oportunidade para o senegalês Edouard Mendy, que agarrou a chance e trouxe segurança sob as traves dos Blues.

A linha defensiva não apresenta falhas expressivas desde a chegada de Tuchel. Reforçados por um desenho de três zagueiros centralizados e dois pelos lados, formado por jogadores até agora sem muito brilho - como o alemão Rudiger, o dinamarquês Christensen ou o espanhol Azpilicueta -, a zaga deu a sua melhor versão e mostrou o excelente nível desses atletas.

Contribuiu para isso a experiência do brasileiro Thiago Silva, que, no ano passado, esteve às portas do triunfo europeu com a camisa do PSG, cuja transferência foi mais que benéfica para Stamford Bridge. Outros jogadores de alto nível na linha defensiva foram o jovem Reece James e o lateral Bill Chilwell, sem esquecer a contribuição do francês Zouma e do espanhol Marcos Alonso, quando tiveram oportunidade.

N´Golo Kanté, o destaque individual do Chelsea na temporada

N´Golo Kanté, o destaque individual do Chelsea na temporada

Carl Recine/EFE- 29.05.2021

Mas se o Chelsea pode falar de uma figura indiscutível ao longo destes últimos cinco meses, a “era Tuchel”, ninguém duvida na escolha do meio-campista francês N´Golo Kanté, melhor jogador da final, o melhor nas duas semifinais contra o Real Madrid e os pulmões desta sólida equipe.

Na casa dos 30 anos, o minúsculo meio-campista de 1,68 m conquistou o maior título de clubes que ainda não havia sido adicionado ao seu currículo impecável, mesmo com Copa do Mundo de Clubes no currículo.

Kanté venceu a Premier League com o Leicester (2016) e com o Chelsea (2017). Com os Blues soma ainda uma Copa da Inglaterra (2018), uma Liga Europa (2019) e a Liga dos Campeões conquistada a 29 de maio no Porto.

Ao nível da selecção nacional, Kanté soma o Mundial da Rússia (2018) e o vice-campeão do Euro 2016, título que tem a oportunidade de conquistar na próxima competição de seleções europeias, que se inicia em 11 de junho.

Christian Pulisic, o primeiro americano a ganhar a Liga dos Campeões

Christian Pulisic, o primeiro americano a ganhar a Liga dos Campeões

Manu Fernandez/EFE - 29.05.2021

A grande temporada de Kanté, um meio-campista de força, posicionamento, julgamento e precisão, abriu um debate sobre se o francês é digno da Bola de Ouro.

Junto com o francês, o brasileiro Jorguinho e, em menor medida, o croata Kovacic, brilharam no meio do campo da equipe londrina - este perdeu boa parte da temporada por conta de lesões.

Os alemães Havertz e Werner, que comandam ataque dos Blues

Os alemães Havertz e Werner, que comandam ataque dos Blues

Manu Fernandez/EFE - 29.05.2021

E no ataque, a força do Chelsea tem sido comandada pelo jovem Mason Mount, uma das grandes revelações do futebol inglês nas últimas temporadas e um jogador-chave na seleção da Inglaterra que disputará a Eurocopa.

Mount, 22 anos, é habilidoso, criativo, ágil, rápido e um jogador de futebol que quebrou o protótipo inglês das últimas décadas, quase sempre muito forte e estático. Ao seu lado, a dupla alemã Werner e Havertz passou por momentos de dúvida, mas, na final, consolidaram-se no ataque do Chelsea, do qual também participam o marroquino Ziyech, o francês Giroud e Pulisic, o primeiro americano a vencer o Liga dos Campeões.

O Chelsea é o atual rei da Europa mostrando como o futebol é dinâmico: era um time sem rumo há cinco meses, tempo suficiente para dar uma guinada e se tornar campeão. A metamorfose “azul” é um exemplo para guardar na história do futebol.

Últimas