CBF diz que pedirá à Fifa para usar árbitro de vídeo em lances capitais

Tema foi discutido entre os clubes na quinta-feira. Projeto já existe dentro da entidade

Luiz Flavio de Oliviera durante partida entre Corinthians e Sport

Luiz Flavio de Oliviera durante partida entre Corinthians e Sport

Mauro Horita/AGIF/Lancepress

Diante da reclamação dos clubes, a CBF promete solicitar à Fifa o uso de recurso de vídeo para evitar equívocos de arbitragem em lances capitais na Série A de 2016. A entidade anunciou o planejamento em nota nesta sexta-feira (11).

"Sabemos que é impossível a seres humanos atingir o índice de erro zero na arbitragem. Por isso, considerando a solicitação dos clubes, a CBF pleiteará junto à Fifa a aprovação do uso de imagens da TV para auxiliar os árbitros. Queremos que o Brasil tome a liderança no processo de introdução da tecnologia no futebol e que sirva de referência para outros campeonatos no mundo", afirmou o presidente da entidade, Marco Polo Del Nero.

Redução das penas de Sheik e Dudu diminui ainda mais a credibilidade do STJD

Membro da comissão de arbitragem, Manoel Serapião participa das reuniões da International Board (Ifab), nas quais são discutidas mudanças nas regras do esporte. Ele é o porta-voz do projeto de uso de um árbitro para avaliar as jogadas mais importantes em um monitor com transmissão de vídeo.

O assunto foi levantado na quinta-feira (10), durante reunião da comissão de clubes na CBF, da qual participou o secretário-geral da entidade, Walter Feldman.

"A CBF e os clubes brasileiros entenderam que chegou o momento de introduzirmos uma medida inovadora para seguir aperfeiçoando o sistema de arbitragem na sua permanente busca pela justiça e pela verdade dos fatos. Estamos presenciando um momento histórico", declarou Feldman.

Segundo a CBF, os seguintes lances deverão ter a interferência imediata do árbitro de vídeo:

- Dúvida se a bola entrou ou não no gol;

- Saídas da bola pela linha de fundo, quando na mesma jogada ou contexto for marcado gol ou pênalti;

- Definição do local de tiros livres diretos, ocorridos nos limites da grande área, para definir se houve ou não pênalti;

- Gols e pênaltis marcados, possibilitados e evitados em razão de erro em lances de faltas claras/indiscutíveis, não vistas ou marcadas de modo claramente equivocado;

- Impedimentos por interferência no jogo, caso na mesma jogada haja gol ou pênalti;

- Jogo brusco grave ou agressão física (conduta violenta) indiscutíveis não vistos ou mal decididos pela arbitragem.