Atuações, liderança e postura de Volpi levaram São Paulo a investir R$ 20 milhões

Anunciada no dia 24 de dezembro, véspera de Natal, a permanência de Tiago Volpi custará US$ 5 milhões (cerca de R$ 20,4 milhões) ao São Paulo. O valor estava previsto no contrato de empréstimo do Querétaro, do México. Mesmo em crise financeira, com déficit de R$ 180 milhões nesta temporada, o clube decidiu comprar Tiago Volpi. Foram diversos motivos que fizeram a diretoria investir no goleiro: desde as atuações consideradas positivas até fatores extracampo.

O São Paulo ainda conseguiu aliviar a forma de pagamento. A entrada de US$ 2,5 milhões (R$ 10,2 milhões) teria de ser paga até o fim deste ano. No entanto, o clube tricolor vai desembolsar o valor de forma parcelada a partir da segunda quinzena de janeiro. Os outros R$ 10 milhões serão pagos em quatro parcelas entre junho de 2020 e junho de 2021.

Mesmo antes de readequar a forma de pagamento com o Querétaro, o São Paulo já estava disposto a fazer o investimento. Apesar de o valor ser considerado alto para um goleiro de 29 anos, o clube enfim achou com Volpi um substituto de Rogério Ceni, aposentado no fim de 2015.

Da despedida de Ceni até a chegada de Volpi, a diretoria apostou em Denis, Renan Ribeiro, Sidão e Jean. Eles não corresponderam dentro de campo e sofreram com críticas da torcida. Os três primeiros já deixaram o clube, enquanto Jean foi reserva imediato nesta temporada, mas terá contrato rescindido quando voltar das férias por ter agredido a mulher, Milena Bemfica.

Volpi se firmou no gol do São Paulo. Em seu início no clube, porém, passou por oscilação. O goleiro teve duas falhas durante a primeira fase do Paulistão, uma em clássico contra o Corinthians, e virou alvo de críticas da torcida. Mas foi bancado pela comissão técnica, correspondeu na fase mata-mata do Estadual e defendeu dois pênaltis na semifinal contra o Palmeiras - embora tenha perdido uma cobrança.

O goleiro terminou a temporada de 2019 com 58 atuações nos 60 jogos oficiais realizados pelo São Paulo. Ele só não entrou em campo quando foi poupado contra o São Bento, no Paulistão, e na última rodada do Brasileirão, quando a maioria do elenco foi poupada da partida diante do CSA.

Além das atuações terem sido consideradas positivas, o lado extracampo pesou para a diretoria tomar a decisão de investir mais de R$ 20 milhões. Volpi é um dos jogadores que chegam mais cedo ao CT da Barra Funda para realizar atividades físicas à parte. Ele ainda é visto como um dos líderes do elenco tricolor.

A vontade do jogador em permanecer, mesmo tendo recebido outras ofertas, também pesou. A postura de Volpi agradou, tanto dentro de campo quanto fora das quatro linhas. O goleiro assinou contrato com o São Paulo até o fim de 2023.