Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Atacante que joga na Turquia revela desespero após terremoto: 'Foi um choque muito grande'

Geraldo, do Umraniyespor, detalhou os momentos de aflição que viveu ao buscar notícias de amigos que sofreram com a tragédia

Futebol|Pietro Otsuka, do R7

Geraldo, de 31 anos, está há quase três anos no futebol turco e hoje joga no Umraniyespor
Geraldo, de 31 anos, está há quase três anos no futebol turco e hoje joga no Umraniyespor Geraldo, de 31 anos, está há quase três anos no futebol turco e hoje joga no Umraniyespor

Quando acordou na segunda-feira (6), Geraldo, atacante do Umraniyespor, da Turquia, se preparava para um dia normal. O jogador angolano, que soma passagens no Brasil por Rio Claro, Coritiba, Atlético-GO e Paraná, enfrentaria naquele dia o Adana Demirspor, em jogo válido pela primeira divisão do futebol turco.

No entanto, ao chegar ao saguão do hotel, o atleta se chocou com a notícia de que um terremoto de magnitude 7,8 havia atingido o país, deixando um rastro de morte e destruição. 

"Quando a gente acordou para o café da manhã, encontramos todo mundo lá desesperado. Quem tinha familiares em Hatay estava muito desesperado. As notícias passavam na TV. Vendo o desespero do pessoal, já deu para perceber que era algo grave. Foi um choque muito grande para todos, porque acordamos com essa notícia", revela Geraldo. 

Foi complicado. Cancelaram os jogos%2C as competições todas. E aí começou uma mobilização para ajudar quem estava lá%2C as notícias foram chegando uma atrás da outra%2C porque temos muitos amigos%2C pessoas que jogam nos times de lá. E o desespero aumentava

(Geraldo, atacante do Umraniyespor)

Por estar em Istambul, a mais de mil quilômetros do epicentro do terremoto, o jogador disse não ter sentido os tremores que devastaram as cidades mais ao sul da Turquia. No entanto, logo que soube da notícia, pensou em amigos e companheiros que estavam mais próximos da tragédia. 

Publicidade

"Tenho alguns amigos que jogam comigo na seleção de Angola que moram lá perto, em Alanya, e outro que mora em Antália. Mas todos eles estão bem, consegui entrar em contato com eles. Só alguns prédios lá que balançaram, mas nada demais. Onde eu moro foi tranquilo, não teve nada", diz o atleta.

Passado o susto inicial, Geraldo, que entende a dimensão da tragédia, vê com bons olhos o espírito de solidariedade que se estendeu a cada pessoa que mora na Turquia.

Publicidade

Ele conta que há uma grande mobilização para ajudar quem sobreviveu ao terremoto, com doação de alimentos, roupas, itens de higiene básicos, etc. 

"Hoje [quarta-feira], saímos pra rua, com o pessoal do clube, fomos doar roupas, alimentos, para as pessoas que estão precisando. E a gente vê que é uma movimentação muito grande, porque o povo turco é unido, todo mundo está se mobilizando. Estrangeiros também estão ajudando demais. Há uma mobilização muito grande para ajudar. A gente fica feliz por essa união em prol das pessoas", completa o atacante, de 31 anos. 

Confira os jogadores brasileiros que atuam na primeira divisão do futebol turco

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.