Andy Ruiz Jr. exige 3ª luta contra Joshua: 'Ele teve medo de lutar como homem'

Andy Ruiz Jr. estava visivelmente envergonhado após a derrota para Anthony Joshua, no sábado, em Riad, na Arábia Saudita. O mexicano admitiu que não fez uma boa preparação para a sua primeira defesa de título mundial, após derrotar o britânico em 1.º de junho. "Não me preparei como devia. Estivemos festejando muito. Sou jovem e tenho muito o que aprender", disse o boxeador, de 30 anos. "Quero pedir desculpas para os mexicanos, para meu treinador e para meu pai".

Ainda sob o ringue, Ruiz exigiu uma terceira luta. "Eu ganhei uma luta e ele ganhou outra. Que venha a terceira", afirmou o lutador, que perguntou ao público, via microfone, se havia interesse em um novo confronto. A resposta foi positiva.

Apesar de trocar cumprimentos com Joshua após a luta, o ex-campeão criticou a forma com a qual o inglês se comportou durante os 12 assaltos na entrevista coletiva. "Ele teve medo de se colocar frente a frente e lutar como um homem", disse Ruiz, que praticamente não conseguiu golpear o rival. Bem preparado, Joshua não parou diante do adversário, não permitindo que a luta fosse para a curta distância.

Joshua afirmou que a derrota em junho o ajudou a vencer desta vez. Ainda sob o ringue, o britânico afirmou ter sido "humilde" para aceitar mudar a tática e derrotar o mexicano. "Eu sou um cara acostumado a nocautear meus adversários. Tive de aprender a ser humilde, mudar minha tática e lutar de forma diferente para derrotar Ruiz", disse o inglês.

"Eu tenho de respeitar o Ruiz, o primeiro mexicano campeão dos pesos pesados", afirmou Joshua, que aceita ter um terceiro confronto. "Muita gente disse que eu tinha de desistir por causa de uma derrota, mas eu estou aqui vitorioso novamente", disse o lutador, com um enorme sorriso no rosto.

Apesar de falar em uma terceira luta contra Ruiz, Joshua não descartou a possibilidade de enfrentar outros adversários em 2020. Logo após a luta, Paco Valcarcel, presidente da Organização Mundial de Boxe (OMB), ordenou uma defesa de título obrigatória contra o ucraniano Oleksandr Usyk, primeiro colocado no ranking da entidade. "Então vamos fazer isso", limitou-se a dizer o inglês, ao ser perguntado na entrevista coletiva.

O búlgaro Kubrat Pukev, primeiro colocado no ranking da Federação Internacional de Boxe (FIB), também pediu que seja o próximo adversário do campeão por intermédio das redes sociais. Mas como tudo gira em torno do dinheiro, uma grande possibilidade é que Joshua enfrente o vencedor entre o norte-americano Deontay Wilder (campeão pelo Conselho Mundial de Boxe) e o britânico Tyson Fury, que lutam em 22 de fevereiro, em Las Vegas.

"Adoraria fazer uma luta por unificação do cinturão mundial", disse Joshua, que reúne os títulos da FIB, OMB e AMB (Associação Mundial de Boxe). O campeão possui um cartel de 23 vitórias (21 nocautes) e uma derrota. Ruiz soma duas derrotas, em 35 lutas (22 nocautes).