Ronaldinho e irmão reconhecem erro e ficam livres de acusação

Ministério Público considerou que os dois foram 'enganados pela boa fé' na operação que apreendeu documentos falsos com os brasileiros

Ronaldinho Gaúcho foi cumprir compromissos comerciais no Paraguai

Ronaldinho Gaúcho foi cumprir compromissos comerciais no Paraguai

Reprodução

O Ministério Público do Paraguai decidiu nesta quinta-feira (5) não acusar Ronaldinho Gaúcho e o irmão, Roberto Assis, pelo uso de documentos falsos no país vizinho. A informação foi publicada no jornal local “ABC Color”.

Em depoimento, os brasileiros disseram que acreditavam que o passaporte e o documento de identidade seria um presente do governo paraguaio. O MP considerou que os dois foram “enganados pela boa fé”.

Com o mecanismo do “critério de oportunidade”, para suspeitos sem antecedentes criminais, o governo Paraguai deixa livre de processo Ronaldinho Gaúcho e Assis. O Juizado Penal de Garantias tomará a decisão final.

Ronaldinho e Assis ainda serão ouvidos pelo MP na manhã desta sexta-feira. A tendência é que assim os dois voltem para o Brasil. O pentacampeão mundial foi ao Paraguai para cumprir um compromisso comercial com um cassino e um projeto social.

Curta a página de Esportes do R7 no Facebook

Rolê aleatório? Entenda a prisão de Ronaldinho Gaúcho no Paraguai