Fora de Jogo Julgamento de Daniel Alves por acusação de estupro na Espanha é marcado para fevereiro

Julgamento de Daniel Alves por acusação de estupro na Espanha é marcado para fevereiro

Ministério Público pediu que ele siga no cárcere por 9 anos, enquanto a defesa da vítima o quer na cadeia por 12 anos

AFP

Ulises Ruiz / AFP - 04.09.2022

O jogador Daniel Alves será julgado na Espanha entre 5 e 7 de fevereiro, sob a acusação de ter estuprado uma jovem, na época com 23 anos, em uma casa noturna de Barcelona. O ato teria acontecido no fim do ano passado. O anúncio foi feito pelo tribunal de Justiça de Barcelona nesta quarta-feira (20).

No fim de novembro, o Ministério Público espanhol solicitou uma pena de nove anos de prisão para Alves, de 40 anos. 

No documento de conclusões provisórias de 24 de novembro, ao qual a AFP teve acesso, o Ministério Público solicitou uma "pena de nove anos de prisão" para o jogador, assim como uma indenização de 150 mil euros (US$ 163 mil, ou R$ 806 mil, na cotação atual) à vítima, por suposto crime de "agressão sexual com penetração".

O MP pede ainda mais dez anos de liberdade vigiada para o atleta, após o cumprimento da sentença determinada, além da proibição de se aproximar ou se comunicar com a vítima durante esse período.

Clique aqui e receba as notícias do R7 Esportes no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Já a defesa da vítima solicita que o lateral fique no cárcere por 12 anos e pague uma indenização de aproximadamente R$ 900 mil à mulher.

O ex-lateral da seleção brasileira está em prisão preventiva desde 20 de janeiro, após seu primeiro depoimento à juíza de instrução.

O incidente supostamente ocorreu em uma sala reservada na casa noturna Sutton, em Barcelona, na madrugada de 31 de dezembro de 2022. Alves, que já frequentava o local, teria conhecido a jovem na boate e a convidado a entrar em uma área exclusiva, onde ficava um pequeno banheiro, de cuja existência ela não sabia.

Segundo o MP, o ex-lateral do Barcelona teria demonstrado uma "atitude violenta", agredindo a mulher e forçando-a a manter relações sexuais, apesar de sua resistência.

A vítima, que, após ter recebido cuidados médicos naquela noite, acabou denunciando os acontecimentos no dia 2 de janeiro, sofre atualmente de "transtorno de estresse pós-traumático de intensidade globalmente elevada", para o qual está em tratamento, segundo o Ministério Público.

O jogador, que inicialmente negou conhecer a jovem, mudou sua versão diversas vezes, mas acabou admitindo que eles tiveram relações sexuais, mas consensuais, segundo fontes próximas ao caso.

A Justiça espanhola rejeitou em diversas ocasiões a liberdade provisória ao atleta, sob a alegação de risco de fuga, entre outros motivos.

Situação que já era ruim fica ainda pior para Daniel Alves nas últimas semanas; entenda

Últimas