Fifa lança projeto global liderado por Wenger para diminuir domínio da Europa

A Fifa lançou nesta sexta-feira um programa global liderado pelo francês Arsène Wenger para ajudar a diminuir o domínio da Europa no futebol mundial, melhorando o treinamento e identificação de jovens talentos. Este é o primeiro grande projeto para o ex-técnico do Arsenal desde que foi contratado em novembro passado como chefe de desenvolvimento de futebol da entidade.

"A diferença no nível de jogo entre a Europa e o resto do mundo tornou-se maior", disse Wenger, em um comunicado oficial da Fifa, sugerindo que algumas confederações nacionais estavam muito mais focadas em suas seleções principais ao invés de desenvolver jogadores jovens.

A Europa forneceu os quatro semifinalistas na Copa do Mundo de 2018 (França, Croácia, Bélgica e Inglaterra) e quatro diferentes países do continente - França, Sérvia, Inglaterra e Ucrânia - venceram as quatro últimas edições do Mundial Sub-20 Masculino. Além disso, times europeus venceram 12 dos últimos 13 torneios do Mundial de Clubes da Fifa - a exceção foi o Corinthians em 2012.

O mesmo domínio se aplica ao futebol feminino, apesar da força da seleção dos Estados Unidos, a atual campeã mundial. Na competição disputada no ano passado, os outros sete países na fase de quartas de final eram da Europa - França, Noruega, Inglaterra, Itália, Holanda, Alemanha e Suécia.

"Precisamos de mais competições juvenis para identificar talentos, oferecer-lhes um caminho e desenvolver 'coaching' (técnicas de treinamento)", disse Wenger, que liderou um workshop de cinco dias em dezembro passado com profissionais de futebol de todo o mundo em Doha, no Catar.

O francês de 70 anos estava sem trabalhar desde o final da temporada 2017/2018, quando deixou o comando do Arsenal, clube que ele dirigiu durante 22 anos (de 1996 a 2018) e pelo qual conquistou três edições do Campeonato Inglês (uma delas de forma invicta, em 2003/2004) e sete taças da Copa da Inglaterra.