Etapa de surfe no Rio é adiada e WSL anuncia novo formato do Circuito para 2021

Devido à contínua evolução da pandemia do novo coronavírus, a World Surf League (WSL, na sigla em inglês) anunciou nesta terça-feira o adiamento de todos os eventos que estavam marcados no mês de junho, em todas as divisões do Circuito Mundial de Surfe Profissional. Um deles é a etapa brasileira que é realizada em Saquarema, no Rio de Janeiro, em Saquarema. Ela aconteceria entre os dias 18 e 27.

A entidade que comanda o surfe informou ainda que segue monitorando a situação da pandemia e a próxima atualização do calendário será divulgada no dia 1.º de junho, para um possível reinício das competições no mês de julho.

Em um vídeo divulgado em todas as plataformas da WSL, o CEO Erik Logan falou sobre a decisão. "Onde e quando iremos realizar nossos eventos este ano ainda é uma questão muito indefinida. Mas continuamos trabalhando com os governos dos países, as autoridades de saúde e com nossas comunidades locais sobre o retorno das atividades", afirmou.

"Neste momento, estamos adiando todos os eventos da WSL em junho. Isso significa que a etapa do Championship Tour programada para junho no Brasil, a Oi Rio Pro, está oficialmente adiada. Mas esperamos que as condições para viagens e deslocamentos melhorem o suficiente para realizarmos o evento ainda este ano", acrescentou Logan.

NOVO FORMATO - O departamento de Circuitos e Competições da WSL também anunciou um novo formato para a temporada de 2021, com mudanças para decidir os campeões do Circuito Mundial e para as competições do Challenger Series e do Qualifying Series.

A partir de 2021, os campeões passarão a ser decididos em um confronto direto entre os dois melhores surfistas do ano, no último dia da temporada do Circuito Mundial. Como foi no ano passado, quando o brasileiro Ítalo Ferreira conquistou o título decidido na final contra o compatriota Gabriel Medina em Pipeline, no Havaí. A batalha final será travada no sistema "surf-off". Essa evolução faz parte de uma discussão de vários anos e o formato final recebeu colaboração de surfistas e patrocinadores juntamente com os dirigentes da WSL.

"Sinto que o novo formato aumenta a intensidade de toda a batalha pelo título mundial", disse a bicampeã mundial Tyler Wright, da Austrália. "A diferença é que você ganha na água, o que é importantíssimo! Tudo vai depender somente de você e de mais ninguém. Esse tipo de intensidade, esse tipo de pressão competitiva aumenta o nível e é mais emocionante", completou.

"O título mundial sendo decidido na final entre os dois melhores surfistas da temporada é super emocionante", concordou o representante dos surfistas da WSL, Conner Coffin, dos Estados Unidos. "Eu assisti cada segundo do último dia do Pipe Masters no ano passado. Foi um grande momento para o esporte. Então, é emocionante pensar que, a partir de 2021, o título mundial será sempre decidido assim", considerou.

Erik Logan também falou sobre as novidades. "Antes da covid-19, vínhamos trabalhando em como poderíamos evoluir o Championship Tour, bem como a qualificação para o CT e todos os nossos Circuitos a partir de 2022. Quanto mais trabalhávamos nessa transformação, mais ficávamos empolgados. Então, essa pausa devido à covid-19 abriu a oportunidade para podermos acelerar essas mudanças", revelou o CEO da WSL.